Economia

Governo estuda extensão do auxílio emergencial, diz Bolsonaro

Segundo o presidente, o benefício pode ser prorrogado por mais alguns meses
O governo pode prorrogar o pagamento do auxílio emergencial por mais alguns meses. Crédito da foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil (21/07/2020)

O presidente da República, Jair Bolsonaro, reforçou nesta quinta-feira (11) que o governo federal estuda prorrogar por “mais alguns meses” o pagamento do auxílio emergencial. O benefício para combater os efeitos econômicos da Covid-19 foi encerrado em dezembro e apenas poucos pagamentos residuais, oriundos de recursos junto ao governo, foram feitos em janeiro e fevereiro.

“No momento, a nossa equipe, juntamente com parlamentares, estuda a extensão por mais alguns meses do auxílio emergencial, que – repito – o nome é ’emergencial’. Não pode ser eterno porque isso representa um endividamento muito grande do nosso País e ninguém quer o País quebrado”, afirmou o presidente.

Para o ministro da Economia, Paulo Guedes, a retomada do benefício em valor reduzido – de R$ 200 por três meses – está condicionada à aprovação do Orçamento de 2021 e das propostas em tramitação no Senado que preveem corte de gastos. Além disso, Guedes quer segurança jurídica para a retomada do auxílio, o que seria dado por uma cláusula de calamidade ou nova edição da PEC do orçamento de guerra.

Leia mais  Senado aprova em segundo turno PEC do novo auxílio emergencial

Mais cedo, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), cobrou publicamente o ministro da Economia, Paulo Guedes, para que saia uma nova rodada do auxílio emergencial. Lira afirmou que “Urge que o ministro Guedes nos dê com sensibilidade do governo uma alternativa viável” para o retorno do benefício.

Bolsonaro, em seguida, afirmou que “entendíamos, juntamente com Parlamento – deputados e senadores aqui presentes que votaram favorável nestas questões – que havia a necessidade” de uma nova rodada de auxílio.

Ele discursou aos presentes no período da manhã durante cerimônia de entrega de títulos de propriedade rural a 60 famílias em Alcântara (MA). “Porque, junto com a pandemia, houve muito fechamento de postos de trabalho e vocês necessitavam de algo para ajudá-los na sobrevivência”, completou.

Acompanham o presidente os ministros da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, e do Turismo, Gilson Machado, bem como o senador Roberto Rocha (PSDB-MA), nome cotado para disputar o executivo estadual e opositor do atual governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

Leia mais  Operação da PF combate fraudes ao auxílio emergencial em oito estados

Rocha é também defensor de imposto similar à extinta CPMF como forma de financiar programas de distribuição de renda. (Estadão Conteúdo) 

Comentários