Economia

Dólar sobe e renova 2ª maior cotação do Plano Real com cenário eleitoral

O real teve hoje a maior queda ante o dólar entre os principais emergentes
A moeda norte-americana chegou a encostar em R$ 4,18 . Crédito da foto:Marcello Casal Jr/Agência Brasil (11/4/2016)

O mercado de câmbio teve novo dia de nervosismo nesta terça-feira, 11, embalado pela indefinição sobre as eleições deste ano. A moeda norte-americana chegou a encostar em R$ 4,18 pela manhã, mas perdeu um pouco de fôlego na parte da tarde e encerrou o dia em R$ 4,1555, alta de 1,77%, a segunda maior cotação do Plano Real, superando a do último dia 30 (R$ 4,1541). O real teve hoje a maior queda ante o dólar entre os principais emergentes, seguido pelo peso argentino (+1,72%). As atenções das mesas de operação se voltam agora para os dados do Ibope, que serão divulgados no início da noite de hoje.

A pesquisa Datafolha divulgada ontem mostrou o contrário do que o mercado esperava após o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, ser esfaqueado na tarde de quinta-feira (6). Naquele dia, o dólar engatou forte queda com a avaliação de que a esquerda perderia espaço nas intenções de voto. Os dados do Datafolha mostraram que Fernando Haddad, oficializado hoje como o candidato do PT, e Ciro Gomes (PDT) tiveram crescimento combinado de oito pontos, enquanto Bolsonaro oscilou dentro da margem de erro, para 24 pontos.

Leia mais  Carrefour anuncia aquisição de 30 lojas do Makro por R$ 1,95 bilhão

O ex-presidente do Banco Central, Gustavo Loyola, sócio da consultoria Tendências, destaca que na ausência de maior clareza, o mercado busca posição defensiva e proteção no dólar. Em 2002, ressalta ele, havia estresse, mas a incerteza estava focada no que seria o governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Há cinco candidatos com chances de ir para o segundo turno.

Para o economista da consultoria Pantheon Macroeconomics, Andres Abadia, as pesquisas estão sinalizando uma disputa muito apertada e os preços dos ativos e do dólar estão refletindo esta indefinição. O candidato preferido do mercado, Geraldo Alckmin, teve alguma melhora de desempenho, mas ainda está com desempenho abaixo do esperado. Ele ressalta que os investidores internacionais estão preocupados com dois fatores: a continuidade do ajuste fiscal e a governabilidade do próximo presidente para tocar estas medidas e outras reformas estruturais.

Leia mais  Metalúrgicos perdem 1.859 vagas na região de Sorocaba

O dólar hoje já abriu o dia em alta e, pela manhã, o cenário externo estava adverso, em meio a renovadas preocupações dos agentes sobre a tensão comercial entre China e EUA. Em seguida, o mercado melhorou, as bolsas em Nova York passaram a subir e o dólar perdeu força entre moedas de países desenvolvidos, como Canadá, o euro e a libra. Entre os emergentes, a moeda norte-americana teve comportamento misto, subindo ante o real e o peso argentino e caindo ante as divisas do México, Turquia e África do Sul. (Estadão Conteúdo/ Altamiro Silva Junior)

Comentários
Assuntos