fbpx
Economia

Bolsonaro nega retorno de CPMF e cita intenção de reduzir alíquota de IR

Ao falar sobre a reforma tributária, o presidente afirmou que o formato da proposta ainda está sendo desenhado
Bolsonaro disse que pediu à equipe econômica para pelo menos corrigir a faixa inferior do IR pela inflação. Foto: Evaristo Sa / AFP

O presidente da República, Jair Bolsonaro, comentou, nesta sexta-feira (09), a intenção de diminuir a alíquota máxima do Imposto de Renda, que hoje é de 27,5%. Ao falar sobre a reforma tributária, o presidente rejeitou falar em CPMF e afirmou que o formato da proposta ainda está sendo desenhado.

“Já falei que não existe CPMF, é decisivo. O que ele Marcos Cintra, secretário da Receita Federal quer mexer, tudo é proposta, não vai dizer que lá na frente que eu recuei, é facilitar o Imposto de Renda, aumentar aí a base, acabar com algumas deduções, diminuir um pouco o imposto máximo de 27%. Esta é a ideia, facilitar”, declarou Bolsonaro.

Conforme o Broadcast publicou na quinta-feira, 8, o governo estuda corrigir a faixa inferior de isenção do Imposto de Renda da Pessoa Física hoje, em R$ 1.903,98 mensais pela inflação, além de promover um corte linear nas alíquotas de todas as faixas de renda, segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo com fontes da área econômica. A tabela não é reajustada desde 2015.

Nesta sexta, Bolsonaro disse que pediu à equipe econômica para, se não mudar nada no Imposto de Renda, pelo menos corrigir a faixa inferior pela inflação.

Ele voltou a falar da promessa de campanha de isentar do imposto quem ganha até cinco salários mínimos. “Tenho conversado com Paulo Guedes, vou continuar batendo nessa tecla.” (Estadão Conteúdo)

Comentários