Buscar no Cruzeiro

Buscar

Acervo

Sorocaba tem concerto ao ar livre nos jardins do Paço Municipal

09 de Agosto de 2019

Sorocaba tem concerto ao ar livre nos jardins do Paço A Camerata, formada por 14 músicos, tocará sob a regência do violinista italiano Emmanuele Baldini. Crédito da foto: Divulgação

Um repertório formado por peças de compositores que implodem os muros que separam o erudito do popular será apresentado pela Camerata Schaeffler neste domingo (11), às 17h, no Jardim do Paço Municipal. O concerto gratuito faz parte da 10ª Temporada de Música Clássica de Sorocaba -- Schaeffler Música e integra o calendário alusivo ao aniversário de 365 anos de Sorocaba, que será celebrado no próximo dia 15.

[irp posts="19054" ]

 

Sob regência do violinista italiano Emmanuele Baldini, um dos mais importantes intérpretes clássicos em atividade no Brasil, a camerata formada por 14 músicos profissionais terá como convidada a mezzo-soprano Denise de Freitas, considerada uma das mais expressivas artistas líricas do Brasil na atualidade.

O repertório contará com peças do argentino Astor Piazzolla (1921-1992), Kurt Weill (1900-1950) e do norte-americano Cole Porter (1891-1964) que, segundo Baldini, são clássicos da música mundial e que estão acima de qualquer rótulo. “Por ser um concerto ao ar livre é sempre importante adequar a programação aos espaços e às condições nas quais se faz o evento. E por ser um momento de festa, decidimos celebrar mostrando um pouquinho do melhor da música, que recusa etiquetas e definições”, comenta.

O programa será aberto com “Libertango”, uma das composições mais conhecidas de Piazzolla -- e que terá Baldini como solista. Em seguida, ele substituirá o arco e o violino pela batuta para reger “As quatro estações portenhas”, também do compositor argentino. Denise de Freitas se junta à camerata para interpretar a canção “Yo soy María”, da ópera-tango “María de Buenos Aires” composta por Piazzolla em 1968.

Emmanuelle Baldini destaca que esta primeira parte do repertório, por si só, destaca toda a versatilidade do compositor argentino que ao longo da carreira escreveu árias de ópera, tangos para espetáculos de dança e peças sinfônicas. “Ele foi como [Heitor] Villa-Lobos, que soube caminhar acima desses rótulos. Os músicos populares o consideram popular e os músicos eruditos o consideram erudito”, diz.

Gêneros

Na sequência, o público poderá conferir peças de Kurt Weill, versátil compositor alemão que foi parceiro musical do poeta e dramaturgo Bertolt Brecht e também escreveu música dodecafônica, forma de composição com sistema simétrico, com sequências de 12 notas aleatórias.

Sorocaba tem concerto ao ar livre nos jardins do Paço Denise de Freitas é considerada uma das mais expressivas artistas líricas do Brasil. Crédito da foto: Divulgação

O programa inclui operetas de cabaré, como “Je ne t’aime pas”, com letra escrita em francês por Maurice Magre. “Aqui entramos em outro terreno, que é o de cruzamento de gêneros. O Weill escreveu algumas operetas, que vamos tocar, mas também era extremamente vanguardista. Ele era um compositor com cabeça totalmente aberta para várias direções”, complementa Baldini.

Por fim, o programa vai contemplar grandes clássicos do cancioneiro norte-americano de Cole Porter. Inclui, ainda, versões com arranjos camerísticos para as canções “Night and day”, “Love for sale” e “So in love”, que se tornaram standards de jazz interpretados por instrumentistas mundo afora.

Encontro de gerações

Formada em 2014 exclusivamente para o projeto de difusão de música clássica em Sorocaba, a Camerata Schaeffler conta atualmente com 14 músicos profissionais pertencentes à Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), a qual Baldini é spalla (primeiro violino), academia da Osesp e integrantes da orquestra do Teatro Municipal de São Paulo.

Responsável por arregimentar os integrantes, Baldini destaca que a Camerata carrega consigo um caráter didático, já que une no palco experientes músicos profissionais pertencentes à Osesp, com talentosos alunos da Academia da orquestra. “Desde que a camerata nasceu ela mantém essa proposta de colocar lado a lado alguns dos melhores músicos que temos com alguns dos melhores estudantes. É uma oportunidade de intercâmbio muito positiva e serve como experiência formativa para os mais jovens”, complementa, reafirmando o seu desejo de tornar a camerata um projeto fixo, com temporada regular ao longo do ano.

“Continua sendo o meu sonho. Acho que Sorocaba merece um grupo assim, até pelas características únicas que ela tem”, finaliza. (Felipe Shikama)