Cultura

Sesc sedia oficina gratuita de desenho

Oficinas trazem uma pessoa da classe trabalhadora para contar sua história e posar para ser retratada
“Livro de registro”, uma iniciativa do Centro de Memória Operária de Sorocaba, segue em cartaz até dia 27. Crédito da foto: Reprodução Facebook

 

Uma oficina gratuita de modelo vivo acontece nesta terça-feira (15), das 15h às 17h30, no Sesc Sorocaba, com participação gratuita e aberta a todos os interessados. A atividade formativa integra a exposição “Livro de registro”, da artista visual Flávia Aguilera e do Centro de Memória Operária de Sorocaba (CMOS), em cartaz no espaço expositivo do 1º andar da unidade.

O desenho, baseado em modelo vivo, é uma linguagem importante na produção artística de Flávia Aguilera, que participará como facilitadora das atividades. Esta é a segunda de uma série de três encontros, sempre tendo uma pessoa da classe trabalhadora como convidada a contar sua história e posar para ser retratada pelo público participante.

A edição de hoje receberá Antonio Carlos Kuschauski, de 60 anos, que quando criança teve sua infância roubada pelo trabalho nas plantações de café e eucalipto e nesta terça-feira, além de multi-artista, é pedreiro, marceneiro, pintor e serralheiro. Na próxima terça-feira, às 15h, mais uma oficina será realizada com a participação de Maria Aparecida Machado, que foi tecelã durante 30 anos.

Leia mais  Carnaval de rua começa oficialmente neste sábado, 15, na Capital

Memórias narradas

Também como parte da exposição, Flávia Aguilera conduzirá no dia 24, das 19h às 21h, um bate-papo que terá a presença do escritor, historiador e pesquisador de cultura popular Carlos Cavalheiro e a documentarista, pesquisadora e professora de audiovisual Lilian Solá Santiago.

A partir da história, das artes visuais e do cinema, respectivamente, Cavalheiro, Flávia e Lilian buscarão narrar memórias pouco conhecidas, mas fundamentais para pensar relações sociais, de classe e raça, no Brasil.

Na conversa, cada um trará suas perspectivas sobre os projetos que ajudaram a desenvolver. Cavalheiro e Aguilera abordam o caso do Centro de Memória Operária de Sorocaba e Santiago apresenta a Casa da Memória Negra de Salto. O bate-papo será gratuito e os interessados deverão retirar os ingressos com uma hora de antecedência na Central de Atendimento da unidade.

A exposição

A exposição “Livro de registro” foi aberta ao público em 18 de julho e entrelaça arte contemporânea com militância política. Com curadoria de Ana Maria Maia, a mostra reúne parte da produção mais recente da artista sorocabana, fruto de uma pesquisa que, a partir da escuta de testemunhos e da organização de arquivo de documentos históricos, resulta em pinturas e desenhos que procuram dar visibilidade a um imaginário da classe trabalhadora da cidade e região.

Leia mais  Sexta-feira (21) é o último dia de inscrições para o futebol veterano

A exposição foi divida em duas frentes, que tratam das memórias coletivas e individuais. A primeira, por meio de desenhos e pinturas em tinta óleo inspiradas fotografias antigas de grupos de operários. Já a segunda frente procura dar protagonismo ao indivíduo que faz parte dessa massa de mão-de-obra fabril.

“Livro de registro” fica em cartaz até dia 27 e pode ser vista gratuitamente de terça a sexta, das 9h às 21h30 e aos sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h30. O Sesc fica na rua Barão de Piratininga, 555, Jardim Faculdade. (Felipe Shikama)

Comentários