Cultura

Mercado editorial aposta em audiobooks

A aposta geral é no tempo que as pessoas passam no smartphone e se deslocando
Mercado editorial aposta em audiobooks
O movimento é global dos audiobooks. Crédito da foto: Pxhere (21/1/2017)

Por alguns anos até 2013, editores do mundo todo chegavam um dia mais cedo na Feira do Livro Frankfurt para tentar entender, na conferência TOC (Tools of Change), como seria o mercado dali para a frente. O futuro, era certo, seria digital – só era preciso aprender como chegar lá.

O tempo foi passando e o e-book virou uma realidade, com mais ou menos sucesso, em países leitores e não leitores, respectivamente, e o livro físico não morreu, como muito se discutiu. Estava tudo caminhando; portanto, não havia mais necessidade de continuar com a conferência.

De 2014 até 2017, nenhuma grande novidade tecnológica ou indício de uma nova ‘revolução’ pelos corredores da maior feira de livros do mundo. E, então, os audiobooks ressurgiram das cinzas, e com força.

Ainda na feira, em 2017, eles começaram a ser mencionados em apresentações de empresas de tecnologia e institutos de pesquisa, e começaram a chamar a atenção de editoras, que ainda guardavam a lembrança de outras tentativas de fazer vingar o formato, com discos, fitas e depois CDs, e algum ceticismo. Ou seja, um novo futuro do livro estava começando a ser desenhado, discretamente, por empresas de tecnologia, e os resultados começam a aparecer.

Investimento

artigo de Leandro Karnal
O livro físico não morreu, como muito se discutiu. Crédito da foto: Luiz Setti (3/1/2013)

Aqui, desde 2014, a Ubook e a Tocalivros investem na formação de catálogo e na criação de um mercado, que vai se tornando mais real com a entrada de players internacionais. Que, aliás, contaram com a ajuda dessas empresas para começar a operar no Brasil.

O Google Play Livros chegou em julho do ano passado, depois de uma parceria de conteúdo com a Ubook. A primeira vende à la carte e a segunda aposta no modelo de assinatura.

O mesmo aconteceu com a canadense Kobo que, desde julho, vende audiolivro com o apoio da Tocalivros, que segue alugando seu conteúdo e da distribuidora Bookwire.

Na semana passada, a sueca Storytel desembarcou no Brasil e a Auti Books, uma plataforma criada por três grandes editoras brasileiras (Sextante, Record e Intrínseca) para vender seus audiolivros e os de outras editoras, soma 37 mil títulos comercializados em três meses de vida. Sem contar as plataformas de streaming de música, que começam a oferecer audiolivros a seus assinantes, e a expectativa da chegada do Audible, da Amazon, que deve redesenhar o mercado nacional.

O movimento é global, e Frankfurt, que parou de falar de e-books, vai dedicar 600 m² de seu pavilhão para empresas da área de áudio e vai realizar o Frankfurt Audio Summit, em outubro. A aposta geral é no tempo que as pessoas passam no smartphone e se deslocando. (Maria Fernanda Rodrigues – Estadão Conteúdo)

Leia mais  A maldição dos livros
Comentários