Cultura

Com personagens femininas fundamentais, estreia ‘Homem-Formiga e a Vespa’

Quem acompanha os filmes do Universo Cinematográfico Marvel (UCM) há de notar algo diferente e especial no título do mais novo lançamento da companhia, o terceiro deste ano. Homem-Formiga e a Vespa, dirigido por Peyton Reed e que estreia na próxima quinta, 5, é o primeiro longa do estúdio a conter o nome de uma super-heroína. Como disse a própria Vespa/Hope Van Dyne (Evangeline Lilly) no fim de Homem-Formiga (2015), a primeira aventura da personagem, “até que enfim!”

“Sempre soubemos que esta seria a festa de debutante de Vespa”, afirmou o diretor Peyton Reed em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, em Los Angeles. “Sou fã dos quadrinhos da Marvel, o Homem-Formiga e a Vespa são fundadores dos Vingadores. Sinto responsabilidade por esse legado.”

Responsabilidade também é a palavra utilizada pela atriz Evangeline Lilly que, antes de interpretar a primeira super-heroína num título de filme da Marvel, fez Lost e O Hobbit “Sinto responsabilidade de fazer justiça à personagem, torná-la divertida e empoderadora.” Lilly conversou muito com o diretor, que descreveu o processo da atriz como analítico. “Queríamos que fosse diferente de outras personagens do Universo Cinematográfico Marvel”, disse Reed. “Para isso, ela tinha de ser tão real e tridimensional quanto possível. Ela sua quando luta, seu cabelo é preso de forma prática, num rabo de cavalo, assim o capacete pode entrar e sair. E ela tem uma missão muito pessoal. Está empenhada.”

Leia mais  Silvia Abravanel desenvolve pneumonia

Hope tem esperança de resgatar sua mãe, Janet Van Dyne (Michelle Pfeiffer), que ficou num tamanho subatômico quando a filha era pequena e desapareceu. Para isso, ela e seu pai, o dr. Hank Pym (Michael Douglas), vão precisar contar com a ajuda de Scott Lang (Paul Rudd), o Homem-Formiga, que cumpre prisão domiciliar depois de violar sua condicional ao se juntar aos Vingadores em Capitão América: Guerra Civil. Sua aparição acabou com o segredo dos trajes criados por Pym, que não está muito contente em trabalhar novamente com Scott – e o mesmo vale para Hope.

Além de Hope e Janet, há outra personagem feminina fundamental: Ava/Ghost (Hannah John-Kamen), que tem capacidade de atravessar corpos e paredes e está atrás dos equipamentos de Hank Pym para poder salvar sua própria vida. Originalmente, a personagem era um homem nos quadrinhos. “Não havia muita coisa sobre o passado. Não tem sua origem”, disse John-Kamen. “Eu dei vida a ela. Fui a primeira a fazê-la. Era nossa a decisão de como ela seria, não tirei nada dos quadrinhos. É legal ela ser mulher. É outra mulher valente do Universo Marvel.” A atriz inglesa espera agora que as crianças brinquem tanto com as bonecas dos personagens femininos da Marvel quanto com os masculinos.

Leia mais  Silvia Abravanel é internada após complicações da Covid-19

Ao contrário de outros filmes da Marvel, o drama de Ava é tão compreensível que fica difícil chamá-la de vilã. “Pensamos mais em antagonistas do que em vilões”, disse Reed. “Ela tem alguns traços de vilania porque tem um objetivo e não vai parar enquanto não atingi-lo. Gosto quando entendo o ponto de vista do antagonista.” Ava também se encaixava na temática de pais e filhas da série: Scott e a pequena Cassie (Abby Ryder Fortson), Hope e Hank. “Cada filme da Marvel tem sua personalidade, mas acho que o nosso foca nas relações familiares, com uma leveza maior”, disse Peyton Rudd.

Os fãs do UCM também já sabem quem precisam ficar no cinema até o final dos créditos. O diretor dá uma dica: “Sabíamos que tínhamos de lidar com as consequências de Vingadores: Guerra Infinita. E sabíamos que o filme ia se passar um pouco depois de Capitão América: Guerra Civil”. Mas a maneira como a cena extra foi feita tem tudo a ver com o Homem-Formiga e sua companheira de dupla mais capaz, resolvida e hábil, a Vespa.

Comentários