fbpx
Brasil

Sirene dispara em outra barragem da Vale em Minas Gerais

Alerta agora é na barragem da mina de Gongo Soco, em Barão dos Cocais, também operada pela mineradora Vale
Alerta é na barragem da mina de Gongo Soco, em Barão dos Cocais, também operada pela Vale. Crédito da Foto: Reprodução

A sirene do sistema de segurança da barragem da mina da Vale de Gongo Soco, em Barão dos Cocais, a cerca de 100 quilômetros de Belo Horizonte, Minas Gerais, foi acionada na noite desta sexta-feira (22), conforme informações da Prefeitura. Em nota, o município afirmou que “por orientação da Agência Nacional de Mineração (ANM)”, o nível de alerta da barragem passou para 3. A Prefeitura afirma não haver risco de rompimento.

Leia mais  Barragem da Vale se rompe em Brumadinho, em Minas Gerais

 

“A informação que temos até o momento é do toque protocolar das sirenes do Gongo, mas sem sinais de rompimento. A Defesa Civil do Estado já está a caminho do município e a qualquer momento divulgaremos mais informações sobre as razões para a elevação do nível de alerta. Reforçando que a Defesa Civil de Barão de Cocais já está de plantão e a postos para toda e qualquer ação necessária”, afirma a nota.

Em 8 de fevereiro, 500 pessoas foram retiradas de suas casas durante a madrugada por depois de empresa de consultoria negar declaração de estabilidade à estrutura. Moradores de bairros próximos à barragem começaram a deixar as suas casas com o soar da sirene e a Defesa Civil está coordenando os trabalhos em bairros próximos à área de perigo.

Alerta

O alerta ocorre cerca de dois meses após o rompimento de uma barragem da mineradora Vale na mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, que deixou ao menos 209 mortos. A tragédia – precedida pelo rompimento de uma barragem de rejeitos em Mariana, em 2015, quando houve 19 mortes – levou apreensão a diversas cidades onde há estruturas semelhantes.

Nesta semana, cerca de 125 moradores nas regiões de Ouro Preto e Nova Lima, respectivamente na região central e metropolitana de Minas, começaram a ser retirados de suas casas por risco de rompimento de represas da Vale. (Leonardo Augusto – Estadão Conteúdo)

Comentários