Brasil

Procuradora pede imediata prisão do deputado João Rodrigues

O parlamentar foi condenado a 5 anos e 3 meses de detenção, mas foi solto em 14 de agosto pelo STJ
João Rodrigues foi condenado a 5 anos e 3 meses de prisão por crimes contra a Lei de Licitações. Crédito da foto: Nilson Bastian/ Câmara dos Deputados

Em manifestação ao Supremo, a procuradora-geral Raquel Dodge solicitou expedição de mandado de prisão para que o deputado João Rodrigues (PSD/SC) volte a cumprir a pena decretada pela Primeira Turma da Corte. O parlamentar foi condenado a 5 anos e 3 meses de detenção, pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), por crimes contra a Lei de Licitações (8.666/2006) supostamente cometidos quando Rodrigues era prefeito interino de Pinhalzinho (SC).

O deputado foi solto no dia 14 de agosto por decisão monocrática do ministro Rogério Schietti, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas a liminar foi suspensa em 6 de setembro pelo relator do caso no Supremo, ministro Roberto Barroso.

Leia mais  Supremo absolve Renan Calheiros do crime de peculato

As informações foram divulgadas pela Secretaria de Comunicação Social da Procuradoria. No documento enviado ao STF nesta terça-feira, 18, a procuradora-geral destaca que os recursos da defesa contra a decisão de Barroso “não têm efeito suspensivo” e que, por isso, a execução da pena deve ser restabelecida.

Leia mais  Justiça nega registro de candidatura de Marcelo Candido

Para justificar o pedido, Raquel cita, ainda, trecho do despacho em que o ministro do Supremo ressalta que “não há fato novo e que a reavaliação da questão só poderá ser feita no momento do julgamento do mérito”. “Nesse quadro, está adequadamente restabelecida a decisão da Primeira Turma da Suprema Corte, que determinou o início da execução da pena imposta a João Rodrigues, e sem efeito a decisão reclamada, que determinou a expedição de alvará de soltura em favor do congressista”, concluiu a procuradora.

No recurso enviado ao STF dois dias após a libertação do parlamentar, em agosto deste ano, a Procuradoria sustentou que o ministro do Superior Tribunal de Justiça “desrespeitou” a decisão do STF, que determinou o início do cumprimento da pena imposta a Rodrigues pelo TRF-4 e confirmada pela Corte máxima poucos dias antes da prescrição do crime.

Na manifestação, a Procuradoria detalhou o andamento do caso e destacou que tanto o STJ quanto o Supremo já haviam negado pedidos semelhantes da defesa do parlamentar. Raquel alertou que a decisão do ministro Schietti, “além de violar a determinação do STF, não poderia ser revista em segunda instância”. “A matéria já fora examinada e o entendimento da Suprema Corte não poderia ser revisto, naturalmente, pelo TRF, a quem só cabia a execução da pena, repita-se, por delegação”, assinalou a PGR em um trecho de sua manifestação.

Leia mais  Suspeitas sobre as urnas são 'descoladas da realidade', diz Weber

Raquel Dodge destacou que ao analisar o recurso extraordinário, a Primeira Turma do Supremo definiu que “os crimes atribuídos ao deputado não estão prescritos e que não há atipicidade material na condenação, conforme alegou a defesa”.

Mesmo com a condenação, o parlamentar solicitou registro de candidatura para disputar a reeleição em outubro. O Ministério Público Eleitoral contestou o pedido por meio de ação de impugnação proposta em 25 de agosto. Segundo a Procuradoria-Geral, o Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina indeferiu, na segunda-feira, 17, o pedido de registro da candidatura de João Rodrigues a deputado federal.

Defesa

A reportagem está tentando contato com o deputado. O espaço está aberto para manifestação. (Estadão Conteúdo)

 

 

Comentários