fbpx
Brasil

Marquise desaba e mata um homem na zona sul de São Paulo

Uma segunda vítima teve trauma de tórax e foi socorrida pelos Bombeiros

Um homem morreu e outro ficou ferido após a queda de uma marquise no Jardim Paulista, área nobre da zona sul de São Paulo, na noite desta quarta-feira (13). O Corpo de Bombeiros ainda investiga as causas do incidente.

Leia mais  Prédio residencial de sete andares desaba em Fortaleza

 

A corporação afirmou que a estrutura caiu sobre as duas vítimas às 19 horas, na Rua Bela Cintra, na altura da Alameda Tietê, no número 1.780. De acordo com os bombeiros, o médico da equipe de atendimento constatou a morte de um dos homens no local.

Já a outra vítima teria sofrido trauma de tórax. O homem foi socorrido para o Hospital Sírio-Libanês. Ao todo, seis viaturas foram deslocadas até o local.

A marquise, com cerca de 15 metros de comprimento, cobre toda a entrada do edifício residencial. Com o desabamento, parte da estrutura ficou apoiada sobre um dos muros do condomínio e outra, atingiu o solo, sem que os jovens conseguissem escapar a tempo.

Houve um forte estrondo. A ajudante de garçom Germana Silva, de 20 anos, se preparava para abrir o restaurante, que funciona na frente do local do acidente, quando escutou um barulho muito intenso. Antes, ela se recorda ter visto dois jovens conversando sob a estrutura.

“Ainda pensei que eles tivessem conseguido escapar de alguma forma, tivessem corrido para trás, para dentro do prédio”, disse.

Diego Apolinário, de 23 anos, trabalha no mesmo restaurante na frente do prédio e disse ter escutado o estrondo e ter pensado que o prédio havia desabado. Ele saiu do estabelecimento e constatou a queda da marquise.

Um dos atingidos se comunicava com a equipe de resgate durante o procedimento em que a estrutura era elevada para aliviar sua dor “Era uma estrutura grande e eu mesmo já fiquei embaixo dela em dia de chuva”, contou Apolinário.

A comerciante Heloísa Toldi é moradora do prédio, mas não estava no local no momento do acidente. Mas relatou que suas filhas se assustaram com o estrondo e deixaram o local para outro apartamento.

Danos

Segundo dados da administradora local, não há indicações de outros danos estruturais no restante do prédio. No entanto, a Prefeitura mantinha a área do acidente interditada às 21h30, sem previsão de liberação. (Marco Antônio Carvalho e Felipe Resk – Estadão Conteúdo)

Comentários