fbpx
Brasil

FCA anuncia investimentos e nova fábrica de motores em Betim

Grupo pretende investir mais R$ 8,5 bilhões no País até 2024
FCA anuncia investimentos e nova fábrica de motores em Betim
Alta cúpula da FCA assina protocolo de cooperação com governador Romeu Zema em Betim (MG). Crédito da foto: Divulgação

A Fiat Chrysler Automobiles (FCA) reuniu na tarde desta quarta-feira (22), no polo industrial da Fiat, em Betim (MG), a alta cúpula mundial do grupo para divulgar investimentos de peso no Brasil.

O anúncio de investimentos reuniu em uma mesma sala o CEO mundial da FCA, Mike Manley, sucessor de Sergio Marchionne, John Elkann, neto de Gianni Agnelli e presidente do Conselho de Administração do grupo, o presidente e COO da FCA para a América Latina Antonio Filosa e o convidado especial Romeu Zema, governador de Minas Gerais.

Ao todo, o grupo pretende investir mais R$ 8,5 bilhões no País até 2024, sendo que o investimento mais importante é em uma nova fábrica de motores GSE Turbo no complexo industrial de Betim. A nova unidade custará R$ 500 milhões e vai empregar, entre funcionários diretos e fornecedores, 1.200 trabalhadores.

Leia mais  Acnur: concessão de refúgio a venezuelanos pelo Brasil é um 'marco'
FCA anuncia investimentos e nova fábrica de motores em Betim
Mike Manley, CEO mundial da FCA. Crédito da foto: Divulgação

A fábrica começará a produzir em 2020 com capacidade inicial de 100 mil motores. Com a nova unidade, Betim se transformará no maior polo produtor de motores da América Latina, com capacidade de produção anual de 1,3 milhão de unidades.

A partir do momento em que a Fiat começou a diversificar sua produção décadas atrás – inicialmente só produzia o compacto Fiat 147 – passou a enfrentar problemas com motores, pois tinha produção limitada no Brasil.

Durante vários anos vários produtos como Palio Weekend, Stilo, e algumas versões da picape Strada, entre outros, rodaram com motores 1.8 l comprados da General Motors. Posteriormente a Fiat comprou uma fábrica de motores em Campo Largo (PR), que até hoje produz a linha EtorQ (1.6l e 1.8l, ambos flex) que equipam boa parte da linha, inclusive o Jeep Renegade, mas são considerados desatualizados.

Leia mais  Lava Jato investiga R$ 132 milhões da Oi para empresas ligadas a Lulinha

Os novos motores vão auxiliar a marca a diversificar sua linha de produtos. Na última quarta-feira Antonio Filosa adiantou que a marca pretende lançar de dois a três novos SUVs com a bandeira Fiat no Brasil. Os dois motores novos terão 1,0 l e 1,3 l de capacidade volumétrica. O primeiro com três cilindros e o segundo com quatro. São basicamente os motores já utilizados pelos novos produtos da Fiat (Argo, Cronos, Mobi), mas turboalimentados.

O primeiro deverá gerar algo como 120 cv e ou segundo, em torno de 150 cv. Além da linha Fiat os novos propulsores serão utilizados também pela linha Jeep. É com eles que a marca pretende equipar seus novos produtos e recuperar a liderança de mercado perdida há alguns anos. (Adalberto Vieira)

Comentários