Brasil

Em queda de braço com Macron, Bolsonaro pede ajuda de Trump

Segundo Bolsonaro, o chanceler Ernesto Araújo e um de seus filhos, o deputado Eduardo Bolsonaro, devem "trazer novidades" dos EUA
Jair Bolsonaro enviou o chanceler Ernesto Araújo e um de seus filhos, o deputado Eduardo Bolsonaro, para se reunir com Trump. Crédito da foto: Jim WATSON / AFP (19/3/2019)

Após rejeitar o envio de US$ 20 milhões anunciado pelo presidente francês, Emmanuel Macron, em nome do G-7, o presidente Jair Bolsonaro pediu ajuda ao colega norte-americano, Donald Trump. Ele enviou o chanceler Ernesto Araújo e um de seus filhos, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para se reunir com Trump nesta sexta-feira, 30. Segundo Bolsonaro, os dois devem “trazer novidades”.

Leia mais  Bolsonaro diz que pode aceitar ajuda, mas exige que Macron 'retire insultos'

 

“Talvez tenha uma novidade logo mais. O Ernesto e o Eduardo estão lá nos Estados Unidos. Talvez eles tenham algo para nos adiantar sobre a conversa com o Trump. Eu pedi para o Trump nos ajudar. O Trump tem dito também que não poderiam tomar uma decisão sem ouvir o Brasil. O Brasil é amigo de todo mundo, e eu sou diplomata. Eu sou uma pessoa afeta ao diálogo”, disse Bolsonaro nesta sexta -feira, 30, após ser questionado sobre os recursos oferecidos pelo G-7.

Em queda de braço com o presidente francês, Bolsonaro também aguarda para esta sexta uma ligação da chanceler alemã, Angela Merkel. Questionado sobre os comentários que fez depois do país suspender recursos do Fundo Amazônia, quando disse que a Alemanha deveria pegar um recurso para reflorestar o próprio território, Bolsonaro falou que a mensagem valia para toda a Europa. “Você quer complicar agora, né? Ela (Merkel) quer namorar comigo, você quer complicar. Não é só a Alemanha, é a Europa toda, junta, não tem lições para nos dar no tocante à preservação do meio ambiente”, respondeu Bolsonaro sobre a declaração.

Leia mais  Em novo encontro, Macron e Trump buscam aparar divergências

 

Na manhã desta sexta, Bolsonaro também voltou a criticar o presidente francês, Emmanuel Macron, e afirmou que só aceitará conversar com ele se houver uma retratação sobre ter dito que a internacionalização da Amazônia está em aberto. (Estadao Conteudo)

Comentários

CLASSICRUZEIRO