Brasil

Doria quer penitenciárias compactas com gestão compartilhada e limite de vagas

O governador planeja entregar até dezembro as primeiras quatro "penitenciárias compactas"
Doria quer penitenciárias compactas com gestão compartilhada e limite de vagas
João Doria é o governador do estado de São Paulo. Crédito da foto: Governo do Estado de São Paulo (6/9/2019)

A gestão João Doria (PSDB) planeja entregar até dezembro as primeiras quatro “penitenciárias compactas”, com gestão compartilhada entre administração pública e iniciativa privada. Inédito em São Paulo, o modelo prevê terceirizar uma série de serviços na unidade e também limita o número de presos por unidade.

Hoje, São Paulo tem 174 unidades em funcionamento e a população carcerária chega a 235 mil pessoas, a maior do Brasil. “Temos de aumentar a nossa capacidade prisional, reduzindo o número de déficit (de vagas) não só para o cumprimento de pena como também para a ressocialização”, afirmou o governador João Doria.

Segundo o governo, a concessão das novas unidades será feita em três lotes e o edital está previsto para ser publicado neste sábado, 7, no Diário Oficial do Estado. A expectativa da gestão é de que sete empresas especializadas participem do certame.

Pelo contrato das obras, essas unidades deveriam ser Centro de Detenção Provisória (CDP), ou seja destinadas a presos que ainda serão submetidos a julgamento e, portanto, não têm sentença. Agora, contudo, o governo afirma que vai transformá-las em “penitenciárias compactas” para abrigar detentos em regime fechado.

“Será encaminhado expediente ao Departamento Penitenciário Nacional (Depen) pedindo a mudança da natureza delas”, disse Marco Antônio Severo, assessor técnico do gabinete da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP). “Hoje, nosso maior excedente é de preso condenado. Se São Paulo tem, no bolo geral, 61% a mais (de presos em relação a vagas), na hora que se dá um zoom na situação dos condenados, esse excedente vai para 81%.”

Segurança permanece a cargo do Estado

O plano de terceirização prevê que a empresa assuma uma série de serviços na unidade, incluindo manutenção predial, hotelaria, lavanderia, alimentação e assistências social, médica e odontológica. Também passa a ser responsabilidade da iniciativa privada monitorar a “movimentação interna” do preso, acompanhando, por exemplo, o deslocamento para o banho de sol.

Segundo o governo, a direção da unidade permanece com o Estado, assim como atividades relacionadas à segurança do presídio. Entre elas, escolta, vigilância, patrulha das muralhas e intervenções em casos de indisciplina.

A remuneração da empresa será dividida entre custos fixos e variáveis, que devem representar, respectivamente, cerca de 60% e 40% dos pagamentos, segundo cálculos da gestão Doria. “Se ela está colocando 100 agentes para cuidar de 800 presos, isso faz parte do custo fixo. Já o custo variável vai de acordo com a quantidade de presos”, afirmou Severo.

Os contratos terão validade de 15 meses e serão prorrogáveis por até 5 anos. Os valores estipulados não foram informados pelo governo.

A gestão Doria afirma que não há “impeditivo legal” para nenhuma empresa especializada participar da concorrência, mesmo as que administram unidades com histórico recente de massacres. É o caso, por exemplo, do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, que é gerida pela iniciativa privada e registrou rebeliões em 2017 e 2019.

Em PPP, governo estuda remuneração por produtividade

Segundo o governo, penitenciárias com gestão compartilhada são o primeiro passo para a privatização do sistema prisional de São Paulo. Em 2020, a gestão pretende lançar Parceria Público-Privada (PPP) para que empresas participem desde a construção até a operação dos novos presídios, uma promessa de campanha de Doria.

No modelo previsto, o governo ofereceria o terreno enquanto as empresas bancariam demais investimentos. “Acreditamos que a iniciativa privada tem melhores estratégias de estimular o detento a estudar e a trabalhar”, disse o vice-governador Rodrigo Garcia (DEM).

“Nessa PPP, os indicadores de reinserção social serão colocados como fatores de pagamento ao parceiro privado”, afirmou Garcia. Entre os critérios em estudo está a remição de pena — para cada três dias trabalhados, o preso abate um dia da sentença. Nesse caso, quanto maior o número de anos reduzidos na unidade prisional, maior seria a remuneração recebida pela empresa.

Atualmente, há nove unidades prisionais em construção e prometidas para ser entregues até dezembro. O número que inclui as quatro penitenciárias alvo da concorrência anunciada pelo governo.

Segundo Garcia, o Estado não tem encontrado resistência das prefeituras para construir essas penitenciárias. “Na década de 1990 isso foi muito discutido em São Paulo e existia sempre uma preocupação dos prefeitos em receber unidades prisionais”, disse “Mas, na prática, qual foi o resultado? Onde houve instalação de presídio, aumentou emprego, aumentou a renda e aumentou a geração de impostos. Inclusive, na grande maioria deles, do ponto de vista político, os prefeitos se reelegeram.” (Estadão Conteúdo)

Leia mais  João Doria acompanha homenagem às vítimas do Holocausto em SP
Comentários

CLASSICRUZEIRO