Brasil

Doria diz aos 645 prefeitos que São Paulo vive segunda onda de Covid

Governo diz que prefeitos irresponsáveis ficarão no fim da fila das ajudas
Crédito da foto: Divulgação / Palácio dos Bandeirantes

Em reunião virtual ontem (6) com os 645 prefeitos do Estado de São Paulo eleitos e que iniciaram seus mandatos este mês, o governador de São Paulo, João Doria, disse que o Estado vive a segunda onda do novo coronavírus. Na reunião, o governador e seus secretários cobraram dos prefeitos o respeito ao Plano São Paulo, que fixa parâmetros para a retomada econômica no Estado durante o período da pandemia.

Durante as festas de final de ano, quando o governo determinou a volta à Fase 1-Vermelha do Plano São Paulo, em que somente serviços considerados essenciais podem funcionar, houve desrespeito às regras. Segundo o governador, cerca de 20 prefeitos descumpriram as medidas e mantiveram o comércio aberto no período.

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, os prefeitos que continuarem descumprindo as medidas poderão responder não só ao Ministério Público como também ser penalizados ficando no “final da fila” nos programas do governo.

O secretário não informou se “ficar no final da fila” também significaria ficar por último durante a campanha de imunização. “Vamos priorizar aqui aqueles [prefeitos] que seguem o Plano São Paulo nos nossos atendimentos. Aqueles que forem irresponsáveis vão para o fim da fila neste momento”, disse Vinholi.

Dificuldades

“Não tínhamos essa expectativa até outubro, mas lamentavelmente São Paulo, Brasil e 215 outros países estão vivendo uma segunda onda deste vírus. Isso exige cuidado, zelo, disciplina, perseverança e coragem para fazer o que precisa ser feito para defender vidas”, disse o governador. Aos prefeitos, Doria previu que 2021 será um ano de dificuldades. “Teremos um ano de 2021 difícil, muito mais difícil do que imaginaríamos até outubro do ano passado”, falou.

Leia mais  Distanciamento continua fundamental, mesmo com vacinação, diz Opas

Os casos, mortes e internações por Covid-19 têm crescido no Estado desde novembro. Segundo a Secretaria Estadual da Saúde, no mês de dezembro, os casos cresceram 76% na comparação com o mês anterior. Os óbitos também tiveram crescimento, de 66%, em relação a novembro. Aos prefeitos, o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, disse que há dez hospitais em todo o Estado que atingiram a capacidade máxima de atendimento.

Vacina

Durante a reunião, Gorinchteyn apresentou aos prefeitos o Plano de Imunização de São Paulo e disse que o estado vai iniciar a campanha de vacinação no dia 25 de janeiro. O plano é uma previsão de como funcionará a vacinação no Estado de São Paulo caso a vacina CoronaVac, que vem sendo desenvolvida pelo Instituto Butantan e a farmacêutica chinesa Sinovac, seja aprovada nos testes de eficácia.

Leia mais  SP registra 1,62 milhão de casos e 49,9 mil óbitos por coronavírus

Apesar de ainda não ter divulgado os resultados dos testes de eficácia oficialmente, o secretário garantiu aos prefeitos que a vacina é eficaz, com índices superiores aos esperados pela Organização Mundial da Saúde e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Pelo plano de imunização estadual, na primeira fase de aplicação da vacina no Estado serão imunizados os profissionais da área da saúde, indígenas, quilombolas e idosos acima de 60 anos, público que soma nove milhões de pessoas em São Paulo e que é responsável por até 77% das mortes provocadas pelo novo coronavírus.
O governo pretende ampliar o total de postos de vacinação, que hoje somam 5,2 mil espaços.

A intenção é que a vacinação possa ocorrer também em quartéis, escolas, estações de trem, terminais de ônibus, farmácias e drive-thru.

Pelo acordo assinado com a Sinovac, o estado de São Paulo vai receber 46 milhões de doses da vacina. Até este momento, cerca de 11 milhões de doses já chegaram ao estado. A vacina é aplicada em duas doses e, segundo o governo, nesta primeira etapa da campanha de vacinação, as doses serão dadas num intervalo de 21 dias.

Leia mais  Portaria fixa regras para registro e controle de estoque de vacinas

Sem dar detalhes, o governador afirmou acreditar que toda a população de São Paulo estará vacinada ainda em 2021. A expectativa é de que os dados de eficácia da vacina Coronavac sejam divulgados hoje (7). Também é esperado que seja anunciada hoje a reclassificação das regiões do estado dentro do Plano São Paulo. (Elaine Patricia Cruz/Agência Brasil)

Comentários