Brasil

Covas cria comitê para priorizar ações e recursos para viadutos e pontes de SP

Da noite deste domingo, 18, para a manhã de segunda, 19, o viaduto cedeu mais 5 milímetros
Viaduto da pista expressa da Marginal Pinheiros, próximo à Ponte do Jaguaré, na direção da Castelo Branco, cedeu, ocorrendo deslocamento da pista na madrugada de sexta- feira, dia 15. Crédito da foto: Marcelo Gonçalves/ Estadão Conteúdo.

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, criou um comitê de crise para priorizar ações de emergência relativas ao viaduto que cedeu na Marginal do Pinheiros perto do Parque Villa-Lobos e da Ponte do Jaguaré, na zona oeste.

Entre as medidas, estão a possibilidade de remanejamento de recursos orçamentários para projetos, ações e iniciativas para manutenção da segurança e estabilidade das pontes e dos viadutos da capital paulista.

A criação do comitê foi oficializada em decreto publicado no Diário Oficial da Cidade desta terça-feira, 20. O texto retroage para ações tomadas desde o dia 15 de novembro.

O decreto diz que “o impacto e a gravidade dos efeitos decorrentes da interdição” do viaduto na região do Jaguaré justificam a criação em caráter emergencial do grupo de trabalho para monitoramento da situação.

Coordenado pelo prefeito, o grupo envolve, além do chefe de gabinete, outros 9 secretários e o procurador geral do município, Guilherme Bueno de Camargo.

O Comitê será responsável por “coordenar medidas preventivas ou reparadoras, administrativas e judiciais” para manter a segurança e a estabilidade das pontes e dos viadutos da cidade.

O documento determina que ações para manutenção das estruturas terão regime especial de atendimento prioritário. “Os processos administrativos receberão identificação própria e destacada que evidencie sua tramitação prioritária no âmbito municipal”, explica o documento. “As providências a cargo dos órgãos ou entidades municipais deverão ser adotadas no prazo de até 15 dias.”

Leia mais  Brumadinho: ex-presidente da Vale e mais 15 executivos viram réus

Interdição

Com o objetivo de evitar congestionamentos, a Prefeitura de São Paulo liberou nesta segunda-feira, 19, à tarde dois trechos, que somam 10 quilômetros, da pista expressa da Marginal do Pinheiros Vinte quilômetros da via haviam sido interditados após o viaduto ceder.

Os trechos liberados da Marginal são entre as pontes Estaiada e a Eusébio Matoso e entre as pontes João Dias e a Estaiada – a liberação não é contínua. A suspensão do rodízio de veículos vale entre a Avenida Bandeirantes, na zona sul, e a Ponte dos Remédios, na região oeste.

A Prefeitura espera liberar mais quatro quilômetros da via expressa nos próximos dias. Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a Marginal do Pinheiros recebe 1,5 mil veículos por faixa a cada hora.

Com o final do feriado prolongado hoje, o grande teste das medidas adotadas será nesta quarta-feira, 21. A lentidão nesta segunda ficou acima da média das 12 horas até 16 horas.

Leia mais  Decreto que cria Conselho da Amazônia deve sair na próxima semana, diz Mourão

Viaduto cedeu mais 5 milímetros

Da noite deste domingo, 18, para a manhã de segunda, 19, o viaduto cedeu mais 5 milímetros, segundo o secretário municipal de Infraestrutura e Obras, Vitor Aly. “Está tudo sob controle e estamos monitorando a estrutura.” Além do escoramento do viaduto que cedeu, os técnicos fizeram uma “janela” para dar acesso à parte interna da estrutura e avaliá-la melhor.

Estão sendo instaladas dez estacas de sustentação na seção do viaduto danificado para sustentá-lo. Duas já foram instaladas, e a terceira começou a ser fixada nesta segunda. Depois, a Prefeitura usará macacos hidráulicos para montar um pilar de sustentação provisório. Só depois é que vai ser definida como será a obra de reparo e quanto tempo deve durar. A Prefeitura busca agora o projeto original do viaduto, erguido na década de 1970 pelo governo do Estado.

“Não temos muito otimismo em relação a isso porque uns anos atrás, o arquivo sofreu um incêndio e não sabemos se a documentação ainda existe. Já entramos em contato com a viúva do professor (Walter de Almeida) Braga, que fez o projeto, e também estamos entrando em contato com a Companhia Brasileira de Projetos e Obras, que executou a obra”, afirmou o secretário Vitor Aly. “Sem isso (o projeto original), vamos ter de reconstruir o viaduto.”

Leia mais  Companheiro de falecida por parto tem direito a salário-maternidade, decide juíza

Só trecho não terá rodízio

A suspensão do rodízio municipal de veículos, determinada pela Prefeitura após o viaduto ceder, valerá apenas para o trecho da Marginal do Pinheiros entre a Avenida dos Bandeirantes e a Ponte dos Remédios, no sentido Castelo Branco.

“A liberação do rodízio não tem como objetivo liberar a circulação dos carros pela cidade, mas facilitar a saída da área de rodízio”, afirmou o secretário municipal de Transportes, João Octaviano Neto. Sem a medida, de acordo com ele, os motoristas que já trafegam normalmente pela região deverão enfrentar mais trânsito e seriam multados. “(A suspensão) não é para induzir o uso da Marginal Pinheiros na hora do rodízio.”

Desrespeitar o rodízio é infração de trânsito de nível médio, resultando em multa de R$ 130,16 e acréscimo de quatro pontos na carteira de habilitação. (Agência Estado)

Comentários