Brasil

Conselho do MP pune Deltan com censura por pregação política

Na ocasião, Deltan fez críticas ao então candidato ao comando da Casa, senador Renan Calheiros (MDB-AL)
Conselho do MP pune Deltan com censura por pregação política
Procurador tentará reverter decisão. Crédito da foto: Agência Brasil / Arquivo

O Conselho Nacional do Ministério Público aplicou nesta terça-feira (8) pena de censura ao procurador da República Deltan Dallagnol em razão de publicações feitas pelo ex-chefe da força-tarefa da Lava Jato no Paraná sobre a disputa à presidência do Senado, em 2019.

Na ocasião, Deltan fez críticas ao então candidato ao comando da Casa, senador Renan Calheiros (MDB-AL).

Oito conselheiros acompanharam o voto do relator, Otávio Luiz Rodrigues Júnior, que entendeu que houve violação do dever funcional.

“(Deltan) sentiu-se no direito de interferir no processo eleitoral do Senado. Não eram meras declarações de apreço ou desapreço de um candidato. Ele foi além, incentivou uma campanha contra o sistema de votação do Parlamento sob o argumento de que agir contrariamente equivaleria a fomentar a corrupção no País”, disse o relator.

Para Rodrigues Jr., “tal ordem de fatos não pode ser equiparada ao mero exercício da liberdade de expressão” e o procurador “ultrapassou os limites da simples crítica” e atacou não só o senador, mas o Poder Legislativo.

Leia mais  'Tempo vem provando que estávamos certos sobre pandemia', diz Bolsonaro ao G-20

A sanção imposta a Deltan, de censura, é a segunda na escala de penas que podem ser aplicadas aos procuradores — a primeira é a advertência.

Na prática, a censura pode dificultar promoções e afetar benefícios de carreira. A condenação também constará na “ficha” do procurador caso ele seja julgado novamente no “Conselhão”.

“Anticorrupção”

Deltan criticou a punição. “O Conselho Nacional do MP me censurou por ter defendido a causa anticorrupção nas redes sociais, de modo proativo, aguerrido e apartidário. Discordo da decisão, que ainda há de ser revertida”, escreveu em sua conta no Twitter.

A força-tarefa em Curitiba defendeu o colega. “Coibir manifestação pública, que não fira a ética e seja engajada com a pauta de atuação funcional, acaba fixando a todo procurador e promotor uma possibilidade de participação em debates sociais e um direito de liberdade de expressão menores do que de outros cidadãos”, afirmaram os procuradores, em nota.

Leia mais  Plano de vacinação deve ter quatro fases

Renan, que acusou Deltan no CNMP de atuação político-partidária, classificou ontem a punição como “branda” e disse que vai entrar com ação por danos morais contra o procurador. (Estadão Conteúdo)

Comentários