Brasil

Casos de seringas vazias se propagam

Casos de seringas vazias se propagam
Imagem ilustrativa. Crédito da foto: Kamil Krzaczynski/ AFP (06/02/2021)

Além do fim do estoque, outro temor entre os que têm direito a receber o imunizante contra a Covid-19 foram as notícias sobre a “vacina de vento”. A Polícia Civil do Rio investiga denúncia em três cidades do Estado de que a aplicação não teria sido feita de verdade em alguns idosos. Nos casos suspeitos, vídeos gravados por familiares mostram a pessoa responsável pela aplicação com seringas vazias ou sem movimentar o êmbolo da seringa.

Lenita da Motta Azevedo, de 83 anos, foi receber sua dose do imunizante no drive-thru do Parque Olímpico precavida. Uma filha acompanhou todo o processo e gravou o momento da aplicação a pedido de familiares que estão no exterior e que ficaram alarmados com a denúncia.

Quem tentou fazer o mesmo em São Gonçalo, contudo, não conseguiu. Um cartaz afixado em um dos postos de vacinação da cidade informava que filmar ou fotografar a aplicação da vacina era proibido. Uma mulher ouvida pela TV Globo confirmou que funcionários do local impediram a captação das imagens no momento em que sua mãe era vacinada.

Leia mais  Polícia Civil apreende mais de R$ 700 milhões do crime organizado

Em nota, a prefeitura de São Gonçalo informou que “lamenta o incidente” e que o cartaz “é antigo e foi colocado na tentativa de preservar o servidor que não quisesse ser filmado”. O município informou ainda que mandou retirar o aviso e que pediu aos servidores que “permitam e até incentivem a produção das imagens, por parentes ou acompanhantes de idosos”.

A cidade, que chegou a interromper a vacinação na semana passada por falta de imunizantes, retomou o processo e garante a campanha pelo menos até este fim de semana. (Estadão Conteúdo)

Comentários