Brasil

Capital compra 19 usinas de oxigênio

Capital compra 19 usinas de oxigênio
O abastecimento de oxigênio é um dos desafios da pandemia. Crédito da foto: Agência Brasil

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), anunciou ontem (25) a compra de 19 miniusinas de produção de oxigênio medicinal, com entrega também em abril, em hospitais e UPAs, como medida para evitar problemas de desabastecimento para o tratamento de pacientes da Covid.

As 19 miniusinas de produção de oxigênio anunciadas terão um custo total de R$ 9,5 milhões e continuarão em funcionamento depois da pandemia. Segundo o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, esses equipamentos garantirão o abastecimento de 596 leitos de enfermaria e 211 de UTI em hospitais municipais, UPAs e hospitais dia.

A capacidade de produção é equivalente a 900 cilindros diários, com previsão de economia mensal na compra de cilindros de R$ 250 mil e retorno do investimento em três anos. Como mostrou o Estadão, a escassez de oxigênio gasoso no mercado e o alto custo para instalação de tanques criogênicos têm levado prefeituras a optar pelas miniusinas para evitar o desabastecimento do insumo.

Leia mais  País supera marca de 4 mil mortos num dia

A primeira miniusina será entregue na terça-feira, no Hospital Municipal Capela do Socorro, na zona sul, enquanto outras seis estão previstas até 15 de abril e, as demais, para o fim do próximo mês. Os espaços em que serão instaladas são: Hospitais Municipais Sorocabana e Capela do Socorro (2 unidades), UPA Jabaquara e Hospitais Dia Tito Lopes, Flávio Gianotti, M’Boi Mirim 1 e 2, Itaim Paulista, São Mateus – Tietê 2, São Miguel, Brasilândia, Butantã, Lapa, Mooca, Penha, Vila Prudente, Campo Limpo e Cidade Ademar.

Mais leitos

Outra medida anunciada pelo prefeito de São Paulo foi a ampliação de leitos de enfermaria e UTI na cidade a partir do próximo mês. Serão instalados em uma universidade, em um centro de capacitação e eventos privado e no anexo de um hospital municipal. (Estadão Conteúdo)

Comentários