Brasil

Candidatos à Presidência declaram ter arrecadado R$ 150 milhões

O mais rico é João Amoêdo (Novo), com R$ 425 milhões



No fechamento das contas, três dos candidatos estão no vermelho. Crédito da foto: Marcello Casal Jr / Arquivo Agência Brasil

 

No primeiro mês de campanha eleitoral, os candidatos à Presidência declararam ter arrecadado R$ 150,8 milhões. Com apenas 3% das intenções de voto, Henrique Meirelles (MDB) é responsável por quase um terço desse valor -R$ 45 milhões que tirou do próprio bolso. Ex-ministro da Fazenda e ex-executivo mundial do BankBoston, Meirelles tem o segundo maior patrimônio declarado entre os presidenciáveis -R$ 377 milhões. O mais rico é João Amoêdo (Novo), com R$ 425 milhões, que também colocou dinheiro do próprio bolso (R$ 50 mil). Nenhum outro candidato à Presidência usou a prerrogativa do autofinanciamento.

Os dados divulgados nesta sexta-feira (14) pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) mostram que dois terços do valor repassado a essas campanhas são de recursos públicos. Dessa fonte, foram disponibilizados R$ 100,9 milhões. Dos 13 concorrentes, os que mais declararam uso de recursos públicos até agora foram Geraldo Alckmin (PSDB), com R$ 46 milhões, e Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com R$ 20 milhões. O petista está preso em Curitiba e teve a candidatura indeferida pela Corte eleitoral. Foi substituído por Fernando Haddad, que ainda não prestou contas.
Do total das doações, apenas 3% são de pessoas físicas.

Leia mais  Maia abre sessão para discutir reforma, mas ainda negocia pontos com lideranças

No fechamento das contas, três dos candidatos estão no vermelho, com despesas registradas em valor superior ao arrecadado -Lula, com R$ 5,6 milhões de saldo negativo, Alvaro Dias (Pode), com R$ 442 mil, e Jair Bolsonaro (PSL), R$ 374 mil. O postulante que declara a maior folga no caixa é Alckmin (R$ 19 milhões positivos). O candidato do Patriota, Cabo Daciolo, declarou não ter tido nenhuma arrecadação e nenhum gasto de campanha. Questionado sobre gastos que teria tido, por exemplo, com a gravação do horário eleitoral de TV e rádio, o deputado não se pronunciou.

Daciolo cancelou nesta semana participação na sabatina promovida pelo UOL, em parceria com a Folha de S.Paulo e o SBT, sob o argumento de que estava em um monte, no Rio de Janeiro, onde mantém um período de jejum e orações de 21 dias. Na campanha presidencial de 2014, os 11 candidatos declararam em setembro daquele ano terem recebido R$ 240 milhões, em valor corrigido pela inflação do período. A então postulante do PT, Dilma Rousseff, que acabou eleita, representava 65% do total. Naquela eleição, a campanha eleitoral foi mais longa, com 45 dias a mais, e eram permitidas doações de empresas. (Folhapress)

Comentários

CLASSICRUZEIRO