Brasil Covid-19

Brasil tem recorde de mortes por Covid-19 em um dia

País registrou ontem 1.582 óbitos pela Covid-19, maior número em 24 horas de toda a pandemia
Brasil tem recorde de mortes num dia
Coveiros carregam o caixão de vítima da Covid-19 no cemitério Nossa Senhora Aparecida, em Manaus. Crédito da foto: Marcio James / AFP (21/1/2021)

No dia em que completou um ano do primeiro caso da Covid-19, o Brasil registrou recorde do número de mortes em 24 horas desde o início da pandemia, com 1.582 óbitos e 67.878 novos casos, segundo o consórcio de veículos de imprensa. O pico da crise do novo coronavírus no Brasil ocorre no momento em que vários Estados se aproximam do colapso do sistema de saúde, surgem variantes mais contagiosas do Sars-CoV-2 e o governo tem dificuldades de acelerar o ritmo da campanha nacional de vacinação.

A média móvel de mortes pela doença também foi a mais alta em um ano: 1.150. O cálculo leva em consideração as oscilações dos últimos sete dias e elimina distorções entre um número alto de meio de semana e baixo de fim de semana. Já são 36 dias com média móvel acima de mil vítimas. No total são 251.661 mortes e 10.393.886 pessoas contaminadas no País, segundo o balanço mais recente do consórcio formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL em parceria com 27 secretarias estaduais de Saúde.

O Estado de São Paulo ultrapassou a marca de 2 milhões de casos confirmados e chegou a 58.873 óbitos nesta quinta-feira (25). As taxas de ocupação dos leitos de UTI são de 70% na Grande São Paulo e 69,7% no Estado. O número de pacientes internados é de 14.809, sendo 8.042 em enfermaria e 6.767 em unidades de terapia intensiva.

Leia mais  Nascidos em novembro já podem atualizar dados no Caixa Tem

Ainda ontem, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, reuniu representantes de secretarias de saúde de Estados e municípios para alertar sobre uma fase mais grave da pandemia, com aumento de casos e internações por todo o País. “Na nossa visão, estamos enfrentando a nova etapa dessa pandemia. Tem hoje o vírus mutado. Ele nos dá três vezes mais a contaminação”, disse Pazuello, sem citar a fonte que detalha o cálculo do poder de contágio da nova cepa do Sars-CoV-2.

Consórcio

O balanço de óbitos e casos é resultado da parceria entre os seis meios de comunicação que passaram a trabalhar, desde o dia 8 de junho, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 Estados e no Distrito Federal. A iniciativa inédita é uma resposta à decisão do governo Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia, mas foi mantida após os registros governamentais continuarem a ser divulgados. (Andreza Galdeano – Estadão Conteúdo)

Comentários