Brasil

Bonecões de Bolsonaro e da primeira-dama não agradam foliões

Bonecões são alvos de vaias e de uma "chuva" de latas de bebidas e pedras de gelo

Nem mesmo o esquema reforçado de segurança evitou que os bonecos gigantes representando o presidente Jair Bolsonaro e a primeira-dama Michelle fossem alvo de vaias e uma “chuva” de latas de cerveja, refrigerante e até pedras de gelo, na manhã desta segunda-feira (4), durante o tradicional desfile pelas ladeiras de Olinda.

Até poucos minutos antes da festa, que anualmente arrasta milhares de foliões, representantes da Embaixada dos Bonecos Gigantes, responsável pela organização do evento, não tinham confirmado a participação do “casal Bolsonaro”. Durante toda a concentração, os bonecos ficaram cobertos com panos pretos.

Durante o trajeto, os foliões vaiavam e atiravam latas e gelo no boneco de Bolsonaro. “Ai, ai, ai… Bolsonaro é o c…”, cantava o público.

Em alguns dos momentos de maior exaltação, na tentativa de conter a reação popular, a Polícia Militar interveio para dar apoio aos seguranças particulares contratados pelos organizadores.

De acordo com foliões que acompanhavam o bloco, em pelo menos duas ocasiões, a polícia lançou spray de pimenta no público.

O arquiteto João Freitas, 50, reprovou a presença dos calungas da família Bolsonaro no desfile. “Achei uma bobagem a organização insistir em colocar os bonecos do presidente e da primeira-dama para desfilar. Todo mundo que conhece o carnaval de Olinda sabe que ele não é bem-vindo na festa, que sempre teve um caráter de crítica política muito forte. Acabou criando uma tensão desnecessária”, afirmou.

Já a pedagoga Lídia Soares, 41, aprovou os novatos. “O carnaval das ladeiras de Olinda é democrático. Não tem porquê proibir nada. A reação do público deixou claro que aqui não tem espaço para Bolsonaro, mas o boneco só fez animar ainda mais a festa”, contou. (Por Pedro Moreira – Estadão Conteúdo)

Comentários