Brasil

Bolsonaro sinaliza chance de haver novo auxílio financeiro

Presidente revela “negociação” com Guedes, Onyx e Marinho
Bolsonaro sinaliza chance de haver novo auxilio financeiro
O presidente da República, Jair Bolsonaro, durante evento de ontem no Palácio do Planalto. Crédito da foto: Alan Santos / Presidência da República

O presidente da República, Jair Bolsonaro disse ontem (8), que está “negociando” com os ministros da Cidadania, Onyx Lorenzoni; da Economia, Paulo Guedes; e do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, um auxílio financeiro para a população brasileira, que está “em situação bastante complicada”. Ainda não há detalhes sobre as regras do benefício nem o valor a ser pago.

Em evento no Palácio do Planalto, o presidente ainda ponderou as limitações fiscais do governo para expandir gastos, mesmo na pandemia. “Sabemos, Paulo Guedes, que estamos no limite do nosso endividamento e devemos nos preocupar com isso. Temos um cuidado muito grande com investidores, mercado e contratos, que devem ser respeitados. Não podemos quebrar nada disso, ou não teremos como garantir que o Brasil será diferente lá na frente”, completou o presidente.

Ele disse ainda que o País vive uma pandemia que deu uma “desajustada” na Economia e que há dois problemas pela frente, o vírus e o desemprego. “Vida e economia têm de andar juntos, são questões importantes que devem ser tratadas concomitantemente”, acrescentou Bolsonaro. “Quem vai tirar o Brasil da situação que se encontra somos todos nós aqui; vamos buscando cada vez mais soluções e atenuar a vida difícil que se encontra grande parte dos brasileiros.”

Leia mais  Carnaval: fiscalizações dispersam aglomerações e festas clandestinas

Se vingar, o novo benefício sucederá o auxílio emergencial pago desde o ano passado e cujos últimos repasses foram feitos no fim de janeiro. No auxílio emergencial criado no ano passado, foram pagas três parcelas de R$ 600 até R$ 1.800 por família (os valores maiores eram destinados a famílias chefiadas por mulheres). O valor do benefício depois foi reduzido para parcelas de R$ 200 cada até o encerramento do programa. (Estadão Conteúdo e Agência Brasil)

Comentários