Brasil

Bolsonaro diz que ouviu general Heleno para escolher ministro da Defesa

Com o general, já são cinco os ministros definidos por Jair Bolsonaro
Fernando Azevedo e Silva ocupará um cargo no governo de Bolsonaro. Crédito da foto: Marcelo Camargo / EBC / Fotos Públicas (5/7/2017)

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), disse na tarde desta terça-feira (13) que não consultou o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, sobre a escolha do general da reserva Fernando Azevedo e Silva para ocupar a vaga de ministro da Defesa. Azevedo e Silva é um dos assessores de Toffoli no Supremo.

“Não foi uma indicação de Toffoli. Eu ouço nessa área o general Heleno”, disse Bolsonaro, referindo-se ao general Augusto Heleno Ribeiro, que será chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI). Bolsonaro anunciou Azevedo e Silva para a Defesa hoje cedo pelo Twitter. O novo indicado é amigo do presidente eleito desde os tempos do Exército.

Governadores

O presidente eleito confirmou presença quarta-feira (14) no encontro que reunirá governadores dos Estados em Brasília. “Vou amanhã [14] ao encontro dos governadores. O que eles querem eu também quero: dinheiro”, disse ao chegar nesta tarde ao Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Leia mais  Criança desliga refrigerador e estraga vacinas

Bolsonaro, no entanto, reclamou que o convite para a reunião não foi acertado com ele. “Essa reunião não foi tratada comigo e nem com Paulo Guedes (futuro ministro da Economia). Não sei quem teve a ideia. Acho que foi o governador Doria (João Doria, governador eleito do Estado de São Paulo), mas nós não vamos decepcionar os governadores”.

O presidente eleito disse que a equipe econômica de seu governo trabalhará pedidos de renegociação de dívida dos Estados, porém destacou que a situação é difícil. “O Orçamento está complicado, mas vamos ver o que for possível fazer nessa questão de renegociação”, disse.

Fernando Azevedo e Silva é o novo titular do Ministério da Defesa

O presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou nesta terça-feira (13), pelo Twitter, o nome do general Fernando Azevedo e Silva, ex-chefe do Estado Maior do Exército, como seu indicado para estar à frente do Ministério da Defesa em seu governo. Em setembro, Azevedo e Silva foi indicado pelo comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, como assessor do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli.

O primeiro nome cotado para o Ministério era o do general Augusto Heleno, que acabou sendo indicado por Bolsonaro para o Gabinete de Segurança Institucional (GSI). “Bom Dia! Comunico a todos a indicação do General-de-Exército Fernando Azevedo e Silva para o cargo de Ministro da Defesa”, escreveu Bolsonaro.

Leia mais  Número de vacinados no Brasil ultrapassa a marca de 6 milhões

Com o general, já são cinco os ministros definidos por Bolsonaro. Além de Azevedo e Silva na Defesa, já foram confirmados por Bolsonaro o economista Paulo Guedes na Economia; o astronauta Marcos Pontes na Ciência e Tecnologia; a deputada federal Tereza Cristina na Agricultura e o deputado federal Onyx Lorenzoni na Casa Civil.

Em agosto passado, ainda como chefe do Estado Maior do Exército, Azevedo e Silva defendeu a “conciliação” e “tolerância” nas eleições 2018. Ele ressaltou que os militares são “parte significativa da maioria do povo brasileiro que pretende usar o voto, a arma mais poderosa e legítima da democracia, para começar a superar a crise profunda em que estamos mergulhados.”

No Quartel-General do Exército, o general disse que o trabalho dos militares não é reconhecido e se queixou do orçamento das três Forças e dos salários que recebem. “Os constantes desafios a que as Forças Armadas vêm sendo submetidas, muitos deles alheios à nossa destinação principal, não têm recebido, das esferas competentes, o merecido reconhecimento, justo e digno, principalmente quanto ao orçamento e à remuneração do nosso pessoal”, escreveu. (Estadão Conteúdo)

Comentários