Blog do Simões


Final de semana: lazer e teatro entre as avenidas Paulista e Consolação




Hoje a sugestão de lazer, cultura e teatro na cidade de São Paulo tem como foco a região da Paulista, Consolação e Augusta.


A cidade de São Paulo pode parecer à primeira vista somente um aglomerado de prédios, muito pouco verde e, portanto, inóspita. De fato, a cidade é tudo isso mesmo. Porém é justamente no meio desse labiríntico conjunto de concreto, tijolos e outros tipos de construções que se encontram os segredos da cidade. Vale a pena explora-la.

A sugestão de hospedagem para se explorar o eixo Paulista e Consolação é buscar algo nessas avenidas. Há uma variedade de bons hotéis na região. Pode ser, por exemplo, na rede Accor. Há várias opções na Paulista, na Consolação e mesmo nos arredores. 

Para chegar a avenida Paulista de carro: Castelo Branco, Marginal Pinheiros, Rebouças (sempre congestionada) e Paulista. De ônibus é muito fácil. Barra funda e metro (linha verde ou amarela). Pronto. Há, também, vários caminhos alternativos via GPS. Se a opção for chegar na sexta feira. Vale o mesmo alerta do post anterior. Procure chegar antes das 16h para tentar (isso não significa que irá conseguir) fugir de um congestionamento pesado. Seja sexta ou sábado deixe as malas e vá ao teatro SESI assistir Moliére – uma comédia musical (http://www.sesisp.org.br/cultura/teatro/moliere.html). Acaba de estrear!

Moliére é texto da aclamada dramaturga mexicana Sabina Berman.  Um embate entre Moliére e Racine. Comédia x tragédia. Que tal? Na sinopse temos: trata-se de uma disputa entre a comédia, representada pelo comediógrafo Molière (Matheus Nachtergaele), e a tragédia, personificada pelo poeta Jean Racine (Elcio Nogueira Seixas). Amado pelo público e favorito do extravagante Luis XIV, o Rei Sol (Nilton Bicudo), Molière terá de enfrentar, numa luta tragicômica repleta de trapaças e reviravoltas, seu aprendiz Racine pela posição de melhor dramaturgo da corte. Enquanto isso, o fanático Arcebispo de Paris, Monsenhor Péréfixe (Renato Borghi), entusiasta da guerra, tentará se aproveitar do conflito para banir do reino o Teatro e seus artistas, para lançar a França em uma era de conquistas e sacrifício. É mais nobre fazer o público rir ou chorar? Os artistas devem mostrar o mundo como ele é ou como deveria ser?

A dramaturga Sabina Berman tem a fama de não se comunicar com facilidade com os críticos, nem responder a mensagens telefônicas, etc. Prefere o anonimato. Prato cheio para se criar histórias sobre a sua vida. A critica especializada gosta das figuras misteriosas. Na atualidade, os seus textos são um enorme sucesso no México e, também, noutros países. Peças como "Feliz novo Século; Doctor Freud; Entre Villa e uma mulher nua; Morte Súbita", entre outros; já estão presentes em vários países, porém, não são fáceis de serem encontrados nas estantes. Muitos deles foram publicados em revistas de pequena circulação.

No sábado a sugestão é deixar o dia para visitar os espaços culturais localizados na avenida Paulista: Casa das Rosas, Centro Cultural Fiesp, Instituto Moreira Salles, Itaú Cultural, Japan House São Paulo e MASP. Em cada um deles há algo a ser explorado. Reserve um tempo especial para o MASP. É fundamental visitar este museu. Enfim, a proposta é caminhar, caminhar e caminhar. Ora vez parar para um lanche, petisco, um café ou uma bebida. Namorar ou comemorar as boas amizades.

Pela noite você pode descer a rua Augusta e encontrar um misto de muitas emoções. Desde bares bem legais até espaços voltados as/os profissionais do sexo. Uma babel!  Vamos a algumas sugestões:  Sancho bar y tapas (R. Augusta, 1415 ); Z Carniceria (R. Augusta, 934) e Caixote bar (R. Augusta, 914). Tem muito mais. Vale aventurar-se.

Se optar em descer a Consolação (sentido centro) no final encontrará ( a direita) a praça Roosevelt. Um dos redutos do teatro de grupo da cidade de São Paulo.  Diversos grupos, especialmente, jovens se encontram no espaço. Se preferir outro tipo de agitação siga para o outro lado no final da Consolação ( a esquerda) e encontrará o COPAM. No terreo o restaurante Dona Onça. Sempre há fila de espera. Mas vale a visita para provar as comidinhas do restaurante.
 
Outra sugestão ( se voce optou por descer a av. Consolação sentido centro) é visitar  o cemitério. Há muitas curiosidades por lá. Na sequencia, para aqueles que preferem um lugar para comer, na rua Minas Gerais nº 352 – galeria vermelho, você encontrará o restaurante Sal do chef Henrique Fogaça. Bem... depois do sucesso na televisão você já sabe que a fila de espera será longa (http://www.salgastronomia.com.br/#contato).

Mais teatro. Agora a sugestão é a peça Denise Stoklos – “Extinção”. Espetáculo solo livremente inspirado em “Extinção” de Thomas Bernhard, no Teatro SESC Consolação. (https://www.sescsp.org.br/programacao/150338_DENISE+STOKLOS+EM+EXTINCAO).Sempre vale a pena assistir a performance de Denise Stoklos. Potente e radical nas suas escolhas. Teatro de alta qualidade.

Por fim, no domingo pela manhã é hora de aproveitar a Av Paulista fechada para os carros e caminhar  no asfalto de uma das avenidas mais emblemáticas do país. Sentar e tomar um café numa livraria. Enfim, viver e ver a cidade. Recuperar as baterias para enfrentar a semana que chega.





FUNDEC: o desafio de crescer sem perder a identidade




FUNDEC: o desafio de crescer sem perder a identidade

   
A FUNDEC faz aniversário. 26 anos. Gosto de lembrar que a sigla significa Fundação de Desenvolvimento Cultural de Sorocaba e os objetivos basilares são a difusão cultural e formação artística. Estruturas como a FUNDEC, SESC, SESI e SENAC cuidam  e colaboram com a cultura e as artes no municipio. A FUNDEC é,  também, a guardiã do Instituto Municipal de Música de Sorocaba (responsável pela Orquestra Municipal de Sorocaba). Reduto da musica erudita na cidade.
 
O elegante prédio localizado à rua Brigadeiro Tobias está incorporado no imaginário da cultura sorocabana. Fincado no centro da cidade a FUNDEC ocupa um edifíco mítico que já foi o antigo Teatro São Rafael (1844). Assim como, também, foi ocupado como sede da Prefeitura Municipal (1935 a 1980) e, depois como Câmara Municipal de 1982 a 1999, até ser reformado e  ser ocupado pela fundação como espaço do fazer cultural.

A ação e a presença da FUNDEC deixa evidente como a cidade necessita de estruturas operacionais (como esta fundação) para fomentar ações culturais na cidade. Faço um peque no aparte. É urgente que se busquem outros modos de gestão da cultura no município, para além da estrutura Secretaria da Cultura. Isso porque a Secretaria da Cultura se encontra no limite da sua capacidade operacional há muito tempo, e as dificuldades tendem a crescer à medida que cidade se expande. Faltam funcionários, faltam investimentos no custeio, faltam muitas vezes às condições mínimas para o funcionamento dos equipamentos culturais, etc. Experiências com fundações e a OS (Organizações Sociais) na gestão da Cultura tem nos mostrado caminhos para a coordenação, realização e a promoção da Cultura e arte nos municípios e estado. A FUNDEC (entidade civil de direito privado, sem fins lucrativos) se encontra neste campo da inovação da gestão da cultura do município. Sua criação foi uma ousadia no seu tempo (assim como a LINC). Não se pode deixar de assinalar. Enfim este assunto, certamente, traz consigo um debate acirrado, com muitas pontas e lados. Todavia é necessário enfrentá-lo, cada qual com a sua posição,  tendo como o objetivo o desenvolvimento da Cultura  e da atividade artística no município.
 
Ao olharmos no espelho retrovisor da história é possível constatarmos que a fundação, ao longo desses anos, passo a passo, estabeleceu com a cidade e os cidadãos um elo de profissionalismo artístico, de afetividade, de pertencimento cultural e de formação de qualidade.  Assim a FUNDEC se tornou referencia na cultura e nas artes para os sorocabanos. Basta ver o número de candidatos às vagas dos cursos ofertados pela fundação.
 
Nem tudo são flores.A FUNDEC tem resistido bravamente às intempéries econômicas e políticas. O desafio que hoje se impõe são muitos. O primeiro é manter-se e, ao mesmo tempo, crescer sem perder a qualidade e a identidade. Afinal são muitos os que gostariam de ver a fundação ampliar a sua ação noutros territórios da cidade. Quem sabe outra unidade? Eu mesmo imagino uma unidade na zona norte ou oeste para atender a forte demanda populacional carente de equipamentos e formação culturais e artística na cidade. 
 
É bom ver como a FUNDEC transformou o Instituto Municipal de Música de Sorocaba numa referência para a cidade, no campo da musica erudita, e o fez transbordar noutras multiplas ações - coral, duos, trios, ópera na escola, etc. Eu gostaria de ver a presença (já temos as artes cênicas) das outras artes numa escola técnica de formação  (sob a batuta competente da FUNDEC) - o  teatro, circo, dança, da performance. Quem sabe? Afinal sonhar é  o primeiro passo para que algo se realize. Sei, também, que não faltam sonhos aos conselheiros. É desejo que a fundação possa alçar outros voos para se somar ao que já foi feito e, também, inovar as ações artísticas e avançar na visibilidade da FUNDEC, seja na RMS, ou seja, no estado. Sonhar, ousar, realizar e tornar a sonhar.
 
Para comemorar os 26 anos a FUNDEC organizou desde a semana passada um conjunto de atividades. Indico para o proximo final de semana (feriado) o Coro Infantil da Fundec, em parceria com a contadora de histórias Monisa Maciel, apresentam o espetáculo infantil "O nascimento da boneca Emília", inspirado na obra de Monteiro Lobato. As apresentações ocorrem nos dias 21 (sábado), às 18h, e 22 (domingo), às 16h e 18h na Sala Fundec.

A FUNDEC é um patrimônio da cultura e dos cidadãos de sorocaba. Há muito o que comemorar. Muito mesmo. Agradeço a todos os artistas da FUNDEC, alunos e alunas, funcionários e conselheiros pelo trabalho amoroso e comprometido com as artes e a cultura. Parabéns! Que venham outras tantas atividades e formações para a cidade e os cidadãos.
 





Final de semana em São Paulo: lazer e TEATRO




Final de semana em São Paulo: lazer e TEATRO

O que fazer?

Noutro dia uma leitora do BLOG DO SIMOES (https://www.facebook.com/blogdosimoes/) me fez o seguinte pedido in box: "Gostaria de indicações de bons espetáculos na capital". Fez, também, a seguinte ressalva: "se possível uma comédia poi o meu noivo não é lá muito fã de teatro". Ao final arrematou com outro pedido; "poderia indicar algum lugar bacana e charmoso para ficar? Não muito caro" OK, eu respondi.   Foi, então, que resolvi transformar o pedido da leitora num post: um final de semana em São Paulo - lazer e TEATRO - com foco no bairro de Pinheiros.

A cidade de São Paulo está a uma hora de carro de Sorocaba. Um pulinho como se diz por aqui. Porém para aqueles que não estão acostumados a idas e vindas à capital uma dica: é importante chegar antes ou após o chamado "pico de congestionamento" na cidade. Isto na verdade varia muito, por exemplo, se chove ou há algum evento, etc. A sugestão é chegar no local antes da 16h ou depois das 21h.

Como a leitora também me pediu e eu vou propor um roteiro de charme e diferenciado. A minha sugestão é o badalado bairro de Pinheiros. Nada de shopping. Muita rua e praça. É caminhando que se conheçe melhor a cidade.

A sugestão de hospedagem  é no Guest Urbam Hotel (http://www.guesturbansp.com.br/) ou Hostel Califórnia (http://www.guesturbansp.com.br/)  (há somente um quarto com banheiro privativo. Fiquem atentos se esta é uma questão importante para vocês). Preços na média e não muito caros.

Se você pretende ir com o seu carro é simples. (Pode usar o GPS. Eu sei. Mas, também, sei que é bom saber outros modos de como se chegar ao lugar). Rodovia Castelo Branco. Marginal Pinheiros. Ponte da Cidade Universitária. Após cruzar a Marginal Pinheiros na rotatória entre a direita (logo após o posto de gasolina) na av. Pedroso de Morais e siga em frente, cruzar a Av. Faria Lima (logo à frente, a sua direita verá um prédio espelhado- o Instituto Tomie Otake. Vale a visita) e siga na mesma avenida. Procure ficar à sua esquerda na avenida até dobrar a esquerda e entrar na rua Teodoro Sampaio. Tão logo cruze a avenida Henrique Schauman dobre a direita e entre na rua Lisboa. Chegou a hotel (Se for ao hostel siga mais uma quadra e dobre a direita). Deixe seu carro no estacionamento (que é pago). Você não precisara mais dele.

Se decidir ir de ônibus. Terminal Barra Funda.  Pegue um taxi ou de aplicativo até o hotel. Ou pode ir de Metro até a estação Fradique na Vila Madalena e fazer uma caminhada ate o hotel ou hostel. (oito ou nove quarteirões)

Não estranhe o hotel. Ele não se parece nada com um hotel convencional. Nem há uma fachada que indique que seja um hotel. (Se você está acostumado ou tem vontade de ficar num hotel tradicional siga mais três quadras na Teorodro Sampaio  e dobre, também, a direita, lá você encontra o Mercure.) O hotel é simples e bem cuidado. Café da manhã adequado e do tipo faça você mesmo. Muitos idiomas. Charmoso. Excelente espaço para ler e aproveitar para bater papo e namorar. Apenas uma observação não escolha os quartos sem janelas que dão para corredor. São os mais barulhentos e menos espaçosos.

No sábado pela manhã vá passear na feira da Praça Benedito Calixto. A praça está ao lado do hotel. Divirta-se caminhando lentamente por entre as barracas e pelas antiguidades. Se você estiver interessado noutros objetos entre nas galerias ao redor da praça. Um mar de ofertas de coisas de todos os tipos preços.

Deu fome. Muitos gostam de almoçar na praça. Eu gosto de pesticar quando estou por lá no restaurante  Consulado Mineiro (http://consuladomineiro.com.br/praca/) que está no coração da muvuca. Tem mesas na calçada, porém, são disputadas. O restaurante abre um pouco antes do meio dia.  Se quiser sentar nas mesas da calçada para olhar o movimento chegue nessa hora e pronto. Caso contrário a fila de espera poderá ser de uma ou duas horas. Mas se não quiser comer na praça é só descer a rua Lisboa que encontrara um simpático restaurante italiano singular ¿ Bistronomia (http://business.google.com/website/bistronomia/) . Nele o proprietário atende aos clientes e a esposa faz os pratos. Tudo simples, bom, adequado e saboroso. Cadeiras confortáveis. Há sábados que se pode ao invés de massas você pode encontrar ostras e espumantes. Ao gosto do cliente. Preço justo.

Uma curiosidade se você estiver almoçando no restaurante franco italiano, mas tiver a vontade de tomar um Negroni ou um Gim Tonica (que não se encontra no cardápio desse restaurante) você pode pedir que o bar da frente o PICCO vem lhe servir. Do mesmo modo, há um bar somente de cervejas ao lado. Todos eles fazem algo como um intercâmbio de bebidas bem legal entre os bares e restaurantes. Cada qual no seu nicho de trabalho.

Depois do almoço hora de descansar da maratona da caminhada, comidas e e se preparar para um espetáculo. Vamos ao teatro!

Nossa sugestão é que se reservem o ingresso antecipadamente nos teatros. Isso para não se ter nenhum tipo de contratempo e utilizem taxi ou outro carro para se deslocar até o teatro.

Seguem três sugestões de peças em São Paulo com importantes homens do teatro brasileiro. (Claro sempre verifique no teatro as condições e a temporada desses textos indicados)

1-    O Escândalo Philippe Dussaert. MONÓLOGO TRAGICOMICO. TEATRO FAAP. Impressionante a interpretação de Marcos Caruso. Surpreendente. http://www.faap.br/teatro/

2-    Baixa terapia. COMEDIA. TEATRO TUCA. Antônio Fagundes conhece o oficio da cena. Boas gargalhadas. http://www.teatrotuca.com.br/

3-    O Pai. COMEDIA DRAMATICA. TEATRO RENAISSANCE. Fúlvio Stefanini numa interpretação marcante. Vale a pena! http://www.teatrorenaissance.com.br/

Depois do teatro a noite é uma criança. A sugestão é voltar para a rua Lisboa e descobrir os bares e restaurantes à sua volta.  Tem todos gostos e bolsos. A minha sugestão é o PICCO (http://opicco.com.br/). Pizza e bons drinques feitos com enorme qualidade pelo barman Lula.

OBS. Caso se anime você pode reservar uma mesa (para almoço ou jantar) no badalado restaurante da Chef Paola Carossela ¿ Arturito (http://www.arturito.com.br/arturito). Ele está a poucos passos do Hotel. Existem muitos outros lugares a serem descobertos e vividos naquele entorno.

Está respondido o seu pedido cara leitora. Aproveite a experiência e depois me escreva para dizer o que achou. Vida leve, leve.