CULTURA

Museu da EFS aguarda liberação para restauro


Fotografias e peças que contam a história do trem e dos trabalhadores da ferrovia em Sorocaba e região estão presentes no Museu da Estrada de Ferro Sorocabana. O local também abriga documentos para pesquisa. Datado de 1910, o prédio que abriga o museu passou por uma manutenção interna em 2015, quando ganhou pintura, mas agora, novamente, pequenos reparos precisam ser realizados. O forro de uma das salas mostra que ali tem goteira, há ainda janelas quebradas e tem um gradil de madeira que está se desfazendo pela ação do tempo. A Prefeitura, por meio da Secretaria da Cultura e Turismo (Secultur), já sinalizou que pretende restaurar o imóvel, porém está dependendo de liberação da Caixa Econômica Federal (CEF), para convênio de restauro.

O convênio de restauro, conforme a Secultur, é de 2013, advindo de uma verba do Ministério do Turismo e ainda aguarda análise e resposta da Caixa Econômica Federal (CEF). A Prefeitura de Sorocaba diz que apresentou toda a documentação solicitada e aguarda o parecer. O valor do convênio é de aproximadamente R$ 300 mil e prevê o restauro das janelas, manutenção do telhado e calhas, e acessibilidade.


São cerca de 350 peças de acervo museológico e cerca de 500 exemplares no acervo arquivístico - São cerca de 350 peças de acervo museológico e cerca de 500 exemplares no acervo arquivístico -

Outra necessidade é a providência de um novo portão para o Jardim Maylasky, onde fica o museu. Recentemente, o portão foi danificado devido a uma batida de carro. O órgão municipal informa que a esse respeito já foi providenciada a solicitação de serviço e está na Secretaria da Fazenda para reserva orçamentária. Assim que a licitação for concluída, o serviço será realizado e posteriormente a Prefeitura será ressarcida quanto ao dano, já que foi provocado por terceiros.

Também a questão da segurança merece atenção. No dia 4 de setembro, o banheiro, que fica do lado de fora, teve uma porta arrombada. A Prefeitura disse que está providenciando outra porta e informou que o museu tem alarme e, além disso, a ronda da Guarda Civil Municipal (GCM) foi ampliada em todo o perímetro.


Gradil de madeira na parte externa do prédio está se desfazendo pela ação do tempo - Gradil de madeira na parte externa do prédio está se desfazendo pela ação do tempo -


Prédio tombado


Situado no Jardim Maylasky, em frente à estação, o Museu da Estrada de Ferro Sorocabana fica num casarão construído em 1910, com padrões arquitetônicos ingleses e telhado em estilo francês, para ser a moradia dos engenheiros chefes da Estrada de Ferro Sorocabana (EFS).

Funcionando como museu desde 1997, o prédio foi tombado pelo município em 2014 e está também no raio de tombamento do complexo ferroviário de Sorocaba, tombado em 2016 pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat), órgão estadual.

No local, de acordo com a Prefeitura, por meio da Secultur, trabalham três servidores públicos: a museóloga Daniella Moreira, dois funcionários administrativos e dois estagiários de nível superior.

O último inventário das peças, diz a Secultur, foi feito em 2014. São cerca de 350 peças de acervo museológico e cerca de 500 exemplares no acervo arquivístico. Entre as obras mais importantes estão o mobiliário original da sala dos diretores da Estrada de Ferro Sorocabana, a roupa utilizada por Luiz Mateus Maylasky, seu florete e caneta de pena, ambos folheados a ouro.

Com relação às fotografias expostas, que no passado eram originais, elas foram substituídas por reproduções, atitude que, conforme a Secultur, visa proteger esse tipo de acervo, que é sensível à radiação solar.


Janelas de madeira estão quebradas - Janelas de madeira estão quebradas -


Durante a visita ao museu, a reportagem notou que menos peças estão em exposição em relação à última visita, em 2014. Os ambientes que reproduziam espaços da estação, como o luxuoso banheiro com sua poltona e espelho, e a sala de espera, deram lugar a outras mostras, temporárias. Conforme a Secultur, antes de 2014 todas as peças do museu estavam expostas e o museu não possuía reserva técnica, considerada importante para a preservação dos bens culturais e onde a maior parte do acervo do museu fica acondicionado e conservado atualmente. A Secultur informa ainda que as peças que foram retiradas da exposição "permanente" estão sendo gradativamente acondicionadas e expostas e podem compor as exposições temporárias.

Atualmente, de acordo com a Secultur, o museu mantém atividades de programação para o público (como exposições de longa duração e temporárias, além de períodos que realiza visitas noturnas); atividades técnicas (como registro, conservação e acondicionamento do acervo); atendimento de pesquisa; e monitoria para visitas agendadas.

Para atrair público, a equipe informa que desenvolve atividades em datas comemorativas, como a Semana do Ferroviário e participa da Semana Nacional de Museus. Entre os planos do secretário de Cultura e Turismo, Werinton Kermes, está ampliar os recursos de acessibilidade para os visitantes, manter ações como a Semana do Ferroviário e realizar mais atividades integradas aos demais museus ferroviários do Estado de São Paulo, bem como realizar as obras de restauro, que dependem da liberação da Caixa Econômica Federal.


Entre as obras mais importantes estão o mobiliário original da sala dos diretores da Estrada de Ferro Sorocabana - Entre as obras mais importantes estão o mobiliário original da sala dos diretores da Estrada de Ferro Sorocabana -


O museu funciona em um horário que dificulta o acesso de um maior número de pessoas: fica aberto de terça-feira a sexta-feira, das 9h às 16h30, e não abre aos finais de semana. Para pesquisa, o atendimento ocorre de segunda a sexta feira, das 9h às 16h30. Já aos sábados, domingos e feriados, é sob consulta. Interessados em agendar pesquisas e visitas podem entrar em contato pelo telefone (15) 3231-1026 ou o email mefs@sorocaba.sp.gov.br.

------------

O Mais Cruzeiro iniciou em dezembro a série de reportagens "Espaços de memória", sobre os patrimônios históricos de Sorocaba. O material é publicado toda sexta-feira e tem como objetivo mostrar a situação dos imóveis e falar sobre suas atividades



comments powered by Disqus