ARTIGOS

Condomínio seguro nas férias


Flavio Amary

Quem planeja as férias e pretende deixar a casa sozinha, precisa de atenção em relação à segurança da unidade e do condomínio. Nessa época, alguns condomínios viram alvo de invasores e, por isso, algumas medidas simples contribuem para evitar problemas.

Síndicos, moradores e funcionários de condomínios devem reforçar os cuidados. O papel do síndico é fundamental. Cabe a ele atuar na conscientização dos condôminos para situações de risco. Mas são pequenas atitudes de quem mora no condomínio que aumentam a segurança de todos. Além das recomendações que parecem comuns, a exemplo de trancar portas e janelas, é importante fechar os registros de água e gás e, ainda, desligar o quadro geral de luz, evitando eventuais desperdícios e acidentes. Não é indicado deixar a luz acesa durante o tempo em que estiver fora, porque, na verdade, pode ser uma evidência de que não há ninguém em casa. Além de ser um gasto desnecessário de energia.

Antes de sair, é importante testar o sistema de segurança interno, se houver. Deixar as correspondências na portaria e suspender a entrega de jornais e revistas também são providências recomendáveis, assim como manter a chave e um telefone de contato com parente ou amigo, de preferência que não more no local. Objetos valiosos precisam ser colocados em um lugar seguro e longe de serem vistos facilmente.

Nas áreas comuns, é aconselhável testar os sistemas de segurança e alarmes. Além disso, o síndico deve evitar conceder férias aos funcionários, para não desfalcar o quadro. Os funcionários não devem fornecer informações a ninguém sobre quem está viajando e o período de ausência. Procedimentos como esses garantem tranquilidade à família que irá curtir a viagem, sem ninguém precisar se preocupar se irá encontrar surpresas desagradáveis ao voltar.

Outro aspecto a considerar nesta época do ano é a realização de festas. Afinal, é preciso reforçar a segurança, pois o empreendimento também fica mais vulnerável com o entra e sai de visitantes. Atenção para os limites com relação a barulho, horário e áreas que podem ser frequentadas na hora da festa. Soltar rojões e utilizar cornetas na varanda devem ser rigorosamente proibidos.

O morador precisa estar ciente das suas responsabilidades e respeitar as regras do condomínio. O síndico deve solicitar que os moradores enviem à portaria, com antecedência, uma relação com os nomes dos convidados para a festa. O porteiro só vai permitir a entrada das pessoas incluídas na lista. Caso contrário, o morador deverá ir até a portaria para liberar a entrada do visitante. É fundamental o controle de acesso, mesmo sendo parentes. E é obrigação do condômino cuidar dos seus convidados.

Os excessos nas comemorações costumam ocasionar outros problemas. Há relatos em que os convidados acabam invadindo áreas comuns do condomínio que não fazem parte da festa. Por exemplo, a comemoração está ocorrendo no salão de festas e as pessoas utilizam playground, churrasqueira, quadras esportivas, jardins, estacionamento, gerando outros riscos e até mesmo conflitos com moradores. Para as festas que ocorrem dentro da unidade, não há limite pré-estabelecido para o número de convidados. Mas o condômino deve respeitar a quantidade adequada.

Para aqueles que não pretendem viajar, a garagem requer atenção extra, por ser um dos pontos mais vulneráveis do condomínio. A maioria das invasões a prédios ocorre pela garagem. Na entrada, a sugestão é que o condômino acenda a luz interna do veículo ou abaixe o vidro ao chegar. Desta maneira, os funcionários da portaria podem ter certeza de que o motorista é morador, e não algum invasor que tomou posse do controle remoto da garagem.

Vale lembrar que educação e bom senso não têm época. As comemorações são importantes, mas devem ser realizadas com responsabilidade e respeito ao próximo.

Flavio Amary é presidente do Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo (Secovi-SP) e reitor da Universidade Secovi - famary@uol.com.br



comments powered by Disqus