Blog do Simões

O ano começou. Já pensou no novo projeto?



ANO NOVO!

JÁ PREPAROU O SEU PROJETO?


É sempre assim.

Hora de olhar para frente. Pensar na continuidade ou no novo projeto artístico. Estudar as leis de incentivo e de fomento disponíveis. Acompanhar os editais vigentes. Escrever, escrever...depois... esperar, esperar.

Esta é a rotina do artista.
Na verdade nem precisa ser ano novo. Mas vamos aproveitar o momento.

Qual será o projeto e o trabalho artístico para este ano?  

Mas, antes, alguém pode perguntar: como surgem os projetos artísticos? 

Do nada? das estrelas? Não.

Fundamentalmente surgem da necessidade e da sintonia dos artistas com a comunidade que os cerca.

É bem por isso que os artistas são o patrimônio imaterial da cidade que habitam.

Cada artista, na sua linha de atuação ou na sua perspectiva profissional, representa e vivifica os imaginários e os desejos de uma cidade.

Arte, artistas e cidade estão sempre intimamente ligados. Assim um projeto artistico representa uma parte da cidade e dos cidadãos.

Daí se pode pensar: trabalho estranho este o dos artistas? Sim. Profissão difícil de entender? Sim. Carteira assinada? Poucas vezes. Horário? Sempre. Dedicação extra? Sempre. Férias e décimo terceiro? Quase nunca. Amigos? Muitos. Sacrificios? Muitos. Na maioria das vezes é melhor desistir? Sim. Não é facil mesmo.

Pois ...o trabalho dos artistas tem sigularidades e na maioria das vezes  é intermitente. (antes mesmo da reforma trabalhista)

Para refletir: são poucas as pesquisas que discutem o trabalho artístico. A maioria delas estão alocadas  no campo da "economia criativa".  

Eu, particularmente, prefiro discutir a arte como profissão e trabalho a partir dos escritos  do pesquisador francês Pierre-Michel Menger e da pesquisadora portuguesa Vera Borges. Eles  são um bom começo para se aventurar na discussão das relações entre a arte e o trabalho.

Indico a leitura artigo "A arte como profissão e trabalho: Pierre-Michel Menger e a sociologia das Artes" de Vera Borges.

Eis um trecho para aguçar a leitura
 
"Sem barreiras fortes de selecção, sem a exigência de uma formação técnica longa, sem disposições estatutárias que regulamentem o exercício da profissão, entrar é fácil, manter-se é o grande desafio para os actores.
 
Na primeira fase de selecção, as competências requeridas para o exercício deste métier são a originalidade, a expressividade, a iniciativa e o talento demonstrados. Acima dos pré-requisitos técnicos iniciais, indispensáveis para um músico clássico, encontram-se as disposições que o actor manifesta e que determinam a sua escolha.
 
No entanto, a formação dos actores é um passo muito importante para a sua socialização e integração no meio profissional. Estas são, aliás, etapas que Pierre-Michel Menger considera solidárias, no decurso da carreira do actor, pois a aprendizagem no palco coexiste com o próprio exercício da profissão.
 
Os actores que resistem no mercado de trabalho durante mais tempo são considerados talentosos e a sua reputação tende a consolidar-se. A combinação do talento com a capacidade de se relacionar com os colegas, com as diferentes equipas de trabalho e com os responsáveis é uma condição de permanência e de reconhecimento profissional no mundo artístico.
 
Por essa razão, os actores principiantes e experientes mantêm-se associados a redes de relações com diversos intervenientes nos processos de produção artística. Estas redes profissionais, sempre ligadas ao mercado de trabalho, permitem-lhes ter um acesso rápido e imediato às informações sobre os papéis, os castings, as audições, os projectos, os espectáculos, os filmes, enfim, os empregos disponíveis." (Vera Borges.  http://journals.openedition.org/rccs/1209?lang=pt)


Que tal?

Valorizar as redes e compartilhar experiências pode ser um caminho.

Vamos, então, manter e fortalecer as redes culturais formais e informais.

Viva os artistas. Viva o trabalho dos artistas. Que venham os projetos.

Resistir. Persistir. Sorrir. Martelar. Produzir. Escrever. Projetar. Sonhar. Costurar. Carregar. Operar. Recortar. Arrumar. Organizar. ESTREAR.

Bom ano.


2018 já começou!








comments powered by Disqus