ARTIGOS

2017: Construção dos alicerces

Flavio Amary

Estamos chegando ao fim de mais um ciclo no calendário gregoriano, momento em que todos que adotam este calendário utilizam para avaliações do que passou e de projeções do que está por vir.

Durante este momento do ano passado, falava-se que não deveríamos esperar e sim construir o ano de 2017, estávamos terminando, naquele momento, o pior resultado no mercado imobiliário desde 2004. O cenário econômico estava muito ruim e todos os indicadores registravam toda a dificuldade.

Estamos terminando o ano com a reversão do cenário e uma nova realidade, verdade que ainda não sentimos nem a retomada econômica e nem toda a confiança, mas todos os indicadores econômicos nos mostram um novo e melhor futuro.

Tivemos uma redução forte nas taxas de inflação, juros básicos da economia caíram pela metade, recorde na bolsa de valores, câmbio controlado, crescimento dos investimentos estrangeiros, balança comercial em forte recuperação, todos os indicadores de confiança melhores, Produto Interno Bruto a cada trimestre com sinais positivos, enfim o Brasil acorda a cada dia com um dia melhor do que o anterior.

Mesmo com todo o cenário político conturbado, a economia tem continuado seu ciclo de retomada. Acredito que o trabalho do executivo e do legislativo nacional tem feito seu papel de enfrentar temas difíceis e, muitas vezes, impopulares, mas é exatamente a falta de preocupação com a popularidade pontual e com visão de longo prazo e, principalmente, com o futuro do país que mudanças estruturais fizeram o ano de 2017 muito importante para toda a sociedade.

Acredito que, realmente, o ano foi construído por toda a sociedade e também por entidades de classe, que se envolveram, como nunca, diretamente nas importantes causas.

Por diversas vezes fizemos ações em conjunto com outras entidades e diversos setores da economia e da sociedade com corpo a corpo com parlamentares, publicações nos jornais, ações digitais, eventos e reuniões de trabalho. Enfim, houve uma mobilização daqueles que no passado, esperavam. A construção de um novo cenário aconteceu, ainda falta muito para preparar o país para o futuro, mas tenho segurança em dizer que terminamos o ano melhor do que começamos.

Ainda faltam várias ações, mas estamos nos trilhos da evolução, com a velocidade possível, e na direção correta: o necessário ajuste previdenciário, melhora do sistema político e de representação e uma reforma no tamanho do Estado.

O alicerce é a estrutura e fundamental para uma boa construção, e o que o país está fazendo é exatamente isso. Assim como nos orçamentos domésticos e empresariais "gastar menos do que arrecada" é que torna uma família ou uma empresa com capacidade de investimento e possibilidade de crescimento. É exatamente igual no setor público e, na elaboração destes orçamentos, a busca pelo ajuste nas contas públicas é o que tem feito nosso futuro ser mais bem percebido por todos.

Assim como toda a economia, o mercado imobiliário também teve um ano de recuperação. De maneira geral, o interior tem sofrido menos que as capitais e as regiões em que o agronegócio tem mais participação na economia tiveram menos dificuldades.

O ano termina com mais lançamentos e mais vendas do que o ano de 2016, ainda sem recuperação nos preços de venda, que permaneceram, na média, ainda estáveis em todo país.
Na próxima semana falamos das expectativas para um novo ciclo que se iniciará. Feliz Natal para todos

Flavio Amary é presidente do Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo (Secovi-SP) e reitor da Universidade Secovi - famary@uol.com.br



comments powered by Disqus