ARTIGOS

A Palavra comanda a vida


Geraldo Bonadio

A criação, obra de Deus não se esgotou nem pertence ao passado. Preste atenção ao que acontece a sua volta e verá que ela se desdobra e perpetua diante de seus olhos, num suceder maravilhoso de ciclos. Estamos, ainda agora, ingressando no tempo das águas. As chuvas, frequentes, fecundam a terra, induzem a formação de sementes tanto nos cultivos feitos pelo homem quanto na natureza. As sementes assim geradas irão saciar a nossa fome e, também, fornecer ao lavrador o necessário para, nos próximos meses, para formar culturas e originar novas colheitas.

Esse mover do Altíssimo no mundo que nos rodeia prefigura, desde tempos imemoriais, a função da Palavra em nossas vidas: transformar corações, propagar-se e induzir ações que, em seguida, irão sensibilizar outras vidas, gerar novas atitudes e promover o aperfeiçoamento do plano de Deus para o mundo.

Convivemos com uma explosão da comunicação. Nossos sentidos são solicitados por uma multiplicidade de mensagens, sonoras, táteis ou visuais. Em meio a esse oceano comunicacional, que lhe solicita tempo cada vez maior, o ser humano por vezes não sabe como selecionar aquelas que deve dar atenção. A tarefa, complexa desde sempre, se faz cada dia mais exigente, pois o fluxo de informações não cessa de crescer.

Uma coisa, porém, é essencial: que tenhamos tempo para receber, meditar e responder os apelos que nos Deus dirige, notadamente aqueles que nos chegam através de sua Palavra. Só ela pode preencher determinadas carências do nosso espírito e suprir a orientação de que necessitamos para nos realizarmos enquanto pessoas.

"Assim como a chuva e a neve descem dos céus e não voltam para eles sem regarem a terra e fazerem-na brotar e florescer, para ela produzir semente para o semeador e pão para o que come, assim também ocorre com a palavra que sai da minha boca: ela não voltará para mim vazia, mas fará o que desejo e atingirá o propósito para o qual a enviei."

Isaías 55:11-12
Nova Versão Internacional



comments powered by Disqus