SOROCABA E REGIÃO

Proposta cogita acabar com visitação pública no zoológico


Considerado um dos principais cartões postais da cidade e que atrai visitantes de Sorocaba e diversas cidades da região, o funcionamento e a atual situação do Zoológico Municipal Quinzinho de Barros serão discutidos em uma audiência pública marcada para o dia 27 próximo, na Câmara de Vereadores. O evento, marcado para as 19h, irá reunir representantes de ongs em defesa dos animais e também do Conselho Municipal de Desenvolvimento do Meio Ambiente (Comdema), da Secretaria do Meio Ambiente, Parques e Jardins (Sema), entre outros, além do público em geral. Para os defensores dos animais, o conceito atual de zoológico aberto à visitação pública é ultrapassado. Assim, eles defendem um possível fechamento do local. Outra corrente, porém, aponta que o zoo precisa de melhorias, mas é totalmente contra o fechamento. Já os frequentadores também são contra.

A Prefeitura de Sorocaba confirmou a realização da audiência e disse que o objetivo é discutir o modelo de gestão e apresentação do zoológico, da sua vocação e assuntos correlatos.

Segundo o vereador João Donizeti (PSDB), presidente da Comissão Permanente de Meio Ambiente e de Proteção e Defesa dos Animais, o objetivo da audiência pública é discutir o atual conceito do zoológico, mas não de forma radical. "O pedido da audiência foi feito pela ex-secretária do Meio Ambiente, Karen Regina Castelli, para que sejam discutidas possíveis melhorias no zoológico com a sociedade civil e representantes de defensores dos animais e do meio ambiente. A ideia não é fechar o zoológico, mas sim apontar melhorias incluindo o bem-estar dos animais", diz o vereador. Donizeti afirma ainda que o objetivo do evento é mostrar casos de sucesso de outros zoológicos no Estado para que ideias semelhantes sejam aplicadas no de Sorocaba. "O zoológico de Bauru, por exemplo, é considerado referência no Estado e eu pretendo convidar o diretor para participar", disse.

Já o diretor do Instituto Cahon, Honno Cahon, ong que atua na defesa dos direitos dos animais na cidade, afirma que participará da audiência para mostrar que os zoos são um problema. "Se você olhar do ponto de vista ético, os zoológicos são um problema para os animais, que ficam encarcerados e expostos ao público. O barulho dos visitantes incomoda e prejudica os animais", aponta. Para ele, o Quinzinho ainda tem uma série de problemas como falta de videomonitoramento, falta de controle de entrada e saída de animais, falta de segurança, entre outros. "O conceito de zoológico é arcaico. Seria necessário transformar o local em um santuário para os animais, mas sem a visitação pública", afirma Cahon.

O veterinário Lázaro Ronaldo Ribeiro Púglia, que foi diretor do Quinzinho por 25 anos, também estará na audiência para defender a permanência do zoológico de Sorocaba, porém com melhorias. "Eu vou participar e levar um grupo de pessoas para defender a importância do Quinzinho de Barros para a cidade e região. O zoológico é um local de pesquisa sobre os animais e que precisa de melhorias, e não ser fechado", analisa. Segundo ele, a sugestão é trazer especialistas e bons exemplos de zoológicos no Estado, como os de Bauru e de São Carlos, para o evento. "Fechar o zoológico de Sorocaba seria um retrocesso e sou totalmente contra, assim como a maioria da população imagino que também seja contra. O que precisa ser feito é talvez criar um fundo municipal para mantê-lo e assim implantar melhorias", aponta Púglia.

Visitantes são contra


A diretora de escola, Aline Quesiar, 29 anos, estava com um grupo de alunos de uma escola pública de Pirapora do Bom Jesus no Quinzinho de Barros, na manhã de ontem. Para ela, o local está bem cuidado e que melhorias são bem-vindas, mas o fechamento não. "As crianças adoram ver os animais no zoológico, então, fechar seria um absurdo", diz.

O mesmo pensam Camila de Paula, 25 anos, e o marido Genilson Heuck de Sena, 34 anos, que levaram o filho de 5 anos pela primeira vez ao zoo. Eles afirmam que o local precisa de mais bebedouros, bancos e espaços para os visitantes tomarem lanche, mas não são a favor de fechamento. "O zoológico está bem cuidado, bonito, e não vimos nada de errado com os animais. Fechar seria uma ideia absurda, somos contra", destaca o casal.

Em nota, a Prefeitura diz que existem estudos em andamento sobre a possibilidade de transformar o zoo em fundação, mas não o fechamento, pois trata-se de um patrimônio público, "eleito pela população como símbolo da cidade de Sorocaba".

Entrada franca


Há quase um ano não é cobrado ingresso para entrar no zoo. Mas o gasto mensal da Prefeitura com o local é, em média, R$ 416 mil. De janeiro a outubro deste ano, o Quinzinho recebeu mais 470 mil visitantes. A Prefeitura informou haver uma licitação em andamento para contratar empresa que será responsável pela portaria, o que significará a volta da cobrança do ingresso.



comments powered by Disqus