ARTIGOS

Escolha e ponha mãos à obra


Geraldo Bonadio

Ainda temos, no mundo de hoje, sociedades em que a família decide o futuro do indivíduo antes que ele nasça. Ao abrir os olhos, seu papel no grupo, a pessoa com quem se casará e quando isso irá ocorrer já estão definidos.

Entre as famílias afortunadas do Brasil colonial não era diferente. Ao primeiro filho tocava suceder o pai em seus negócios, ao segundo a carreira eclesiástica, ao terceiro um cargo público... Com as filhas era mais simples: casavam-se com o escolhido pelo pai ou entravam para um convento, já na adolescência, pois a expectativa de vida, para todos, era curta.

Hoje, como regra, cabe à pessoa -- homem ou mulher -- definir seus objetivos, ainda que com participação de pais, amigos e parentes. Cabe só ao indivíduo escolher se busca um curso superior, empreende algum negócio, tenta o mercado de trabalho ou ingressa no serviço público. Decisões sobre família e número de filhos usualmente cabem ao casal. Criam-se, assim, a possibilidade e a responsabilidade de escolher.

É bom, em certo momento, ter a cabeça povoada de sonhos diversos e mesmo excludentes entre si. Sonhar é fundamental, só que, em algum instante será preciso fazer do sonho realidade. Isso exige tempo, vontade e trabalho. Há escolhas possíveis de serem refeitas, sem comprometer o êxito. Impossível é manter a indefinição. Nem basta a escolha inicial: há que complementá-la com ações que lhe deem concretude.

Um amigo que sabe tudo de cálculo ajuda a melhorar a pontuação de quem tenta o ingresso numa boa faculdade de exatas. Mas se o vestibulando hesita entre engenharia computacional e artes dramáticas, nada feito! O reforço de que irá carecer será diferente conforme o caso e precisará ser buscado em pessoas distintas.

Também na oração é preciso ser claro. Relembre o Pai Nosso, em que o louvor se encadeia com pedidos muito precisos dirigidos ao Altíssimo.

"Quem trabalha tem com o que viver, mas quem só conversa passará necessidade."

Provérbios 14:23
Nova Tradução na Linguagem de Hoje



comments powered by Disqus