INFORMAÇÃO LIVRE

Prefeitura recorre de liminar para afastar 84 comissionados


Por Marcelo Andrade
marcelo.andrade@jcruzeiro.com.br


A Prefeitura recorreu nesta quinta-feira (20) ao Tribunal de Justiça do Estado da decisão que, na quarta-feira, concedeu liminar para determinar o afastamento de 84 ocupantes de cargos comissionados na administração pública. O despacho da juíza da Vara da Fazenda Pública da Comarca, Karina Jemengovac Perez, fixa prazo de 48 horas para o cumprimento da ordem. A Prefeitura confirmou ter recebido a notificação ontem, devendo o prazo de 48 horas terminar na terça-feira, já que são considerados os dias úteis. Os cargos foram criados no projeto de reforma administrativa da gestão do prefeito José Crespo (DEM), o que, na avaliação do promotor de justiça Orlando Bastos Filho, contraria orientação do mesmo Tribunal que, agora, vai analisar a medida encaminhada pelo governo municipal.


Nomeação
O jornal Município de Sorocaba, em sua edição de ontem, trouxe a publicação de uma portaria com a nomeação, pelo prefeito José Crespo (DEM), de Sylvia Pauletti Roquette Campanati, para exercer, em comissão, a função de Chefe da Divisão de Acompanhamento Processual da Secretaria de assuntos Jurídicos. Sylvia é concursada na função de auxiliar de administração, com salário de R$ 1.436,19. Com o novo cargo, passa a receber mensalmente R$ 7.254,32, incluindo gratificações. Sylvia é esposa do secretário de Habitação e Regularização Fundiária, Maurício Campanati. 
 
Sem influência
Questionadas pela coluna, tanto a Prefeitura como o secretário Maurício Campanati afirmam que não houve influência política para a nomeação. Segundo Campanati, a indicação de sua esposa para o novo cargo teria partido de "indicação do procurador-chefe do Controle Externo". Destaca que a servidora é formada em Direito e possui duas especializações na área, além de experiência intersetorial. Campanati diz ainda não ver nepotismo na nomeação de sua esposa.
 
No forno
O Ministério Público do Estado (MP-SP) deverá acionar novamente a Justiça nos próximos dias. Desta vez por nepotismo e improbidade por conta da nomeação de Jeferson Moreno Zuliani, irmão do secretário de Gabinete Central de Sorocaba, Hudson Zuliani, para o cargo de presidente da Junta Administrativa de Recursos de Infração (Jari). Segundo apurado, o promotor Orlando Bastos Filho concluiu o inquérito que teria apontado irregularidade e a ação está pronta. Quando da nomeação, a Prefeitura argumentou que não havia ilegalidade.
 
Rapidinhos
Os vereadores rejeitaram ontem uma moção de repúdio ao fato de funcionário comissionado ter levado coxinhas aos servidores públicos municipais que realizavam protesto por reajuste de salário em frente à residência do prefeito Crespo, no dia 22 de março. Alguns discursos foram acalorados, como o do pastor Luis Santos (Pros), ao criticar o fato de os servidores terem pisoteados os salgadinhos, considerados por ele "alimento sagrado". Como a maioria é da base, a moção de repúdio, de autoria da vereadora Fernanda Garcia (Psol), foi rejeitada por 11 votos a quatro. 
 
Retenção de macas
A Guarda Civil Municipal (GCM) divulgou o relatório de suas atividades realizadas entre janeiro e março deste ano. Das ocorrências, chama atenção um item: a atuação em casos de retenção de maca em unidades de saúde do município, como nas UPHs e Santa Casa. Foram 36 no período. (Colaborou José Antonio Rosa)
 


OCULTAR COMENTÁRIOS
comments powered by Disqus