_ A paquera que começa no ônibus e termina nas redes sociais - 20/03/17 - SOROCABA E REGIÃO - Jornal Cruzeiro do Sul
SOROCABA E REGIÃO

A paquera que começa no ônibus e termina nas redes sociais


 
O jeito despojado do rapaz de olhos verdes, cabelos castanhos e barba por fazer chamou a atenção da passageira que estava no ônibus da linha Cajuru, por volta das 10h20 do último dia 10. Sem saber como se aproximar, ela esperou o momento em que ele desceria do coletivo, sacou o telefone celular e tirou uma foto sem ser notada. Depois, enviou a imagem e a descrição do moço aos administradores da página do Facebook "Te vi no ônibus - Sorocaba", um sucesso entre os jovens usuários do transporte público da cidade.
 
A história da paquera intermediada pela rede social é uma das cerca de 700 que já circularam pela página, curtida por 88 mil usuários do Facebook. O número não leva em conta as imagens que foram apagadas a pedido de quem foi fotografado ou de seus respectivos pares românticos. Deletar postagens indesejáveis, garantir o anonimato de quem fotografa e não permitir ofensas entre os usuários, aliás, estão entre as regras seguidas fielmente pelos quatro responsáveis pelo espaço virtual.
 
A ideia da criação da página surgiu em agosto de 2015, quando Vinícius "Capivara" Quevedo, hoje com 20 anos, e Gabriel "Sorriso" Gerdulino, 18, avistaram uma linda garota num ônibus lotado, logo às 7h, e não encontraram maneira para se aproximar dela. "No ônibus as regras são diferentes de outros ambientes, como um shopping, a praia ou a própria rua. Além da lotação em muitos casos, há o fato de ali dentro não ser uma zona confortável para você chegar na pessoa", conta Vinícius. Eles, então, deduziram que outros jovens poderiam passar pela mesma situação e resolveram criar um espaço voltado ao ambiente que cerca o transporte público (as fotos postadas são tiradas nos ônibus, terminais e pontos).
 
O sucesso da iniciativa fez mais gente se juntar à dupla -- que até começou a cursar Direito para saber lidar com quem reclama de postagens e ameaça abrir processo, eventualmente até de maneira pouco educada. Atualmente, o estudante Allison "Pavão Misterioso" Amorim, 21 e Jackson "SorocabaniceS" Freitas, administrador da página que originou seu apelido, também cuidam do "Te vi no ônibus". Cada um deles dedica de uma a duas horas diárias do seu tempo para responder mensagens e postar as imagens. O grupo de amigos utiliza o transporte público diariamente e todos fazem questão de serem conhecidos pelo apelidos.
 
Assim como acontece com boa parte dos fotografados que aparecem na página, o rapaz citado no começo da reportagem foi reconhecido e identificado pelos próprios internautas. Assim, a moça apaixonada ganhou a chance de entrar em contato com ele e, quem sabe, tentar um encontro num ambiente mais propício ao romance.
 
Mais amor, menos ofensas
 
As histórias de paqueras são a força motriz da página. A maioria das postagens segue a fórmula consagrada: uma pessoa acha outra interessante, tira uma foto (geralmente sem ser notada) e a envia por mensagem privada aos administradores. A imagem é publicada, com a descrição feita pelo usuário, invariavelmente seguida por uma nota da página, redigida pelos jovens. Bem-humorada, a nota comenta algo curioso da imagem ou remete a situações vividas por quem anda de ônibus. Os internautas, então, passam a fazer comentários na publicação e muitas vezes identificam o personagem fotografado. "Nosso objetivo é juntar pessoas, fazer elas se encontrarem, assim como em qualquer rede social", comenta Vinícius.
 
Os administradores não têm dados sobre relacionamentos que efetivamente tiveram início a partir da página no Facebook, já que nem sempre quem solicita uma postagem retorna o contato para informar se alcançou o objetivo. Além disso, o sigilo total que prometem aos usuários os impede de revelar eventuais casos bem-sucedidos. De todas as fotos recebidas, cerca de 25% são apagadas após a publicação por pedidos de usuários.
 
Mas nem só de romance vive a página. Apontamentos de problemas relacionados ao transporte público, brincadeiras sobre o assunto (os chamados memes) e prestação de serviço (como informações sobre greves e paralisações) também estão disponíveis aos usuários. Além disso, uma recente parceria firmada com a página "SorocabaniceS" trouxe à pauta assuntos relacionados à cidade e vídeos feitos ao vivo.
 
Quem acessa o "Te vi no ônibus - Sorocaba", ainda que não tenha o objetivo de encontrar alguém, certamente se diverte com as postagens. As fotos tiradas em ângulos que denunciam a dificuldade do fotógrafo em passar despercebido são curiosas, assim como a descrição dos alvos da paquera, as notas da página e os comentários. Há ainda flagrantes de situações incomuns, como um jovem que armou uma rede de dormir dentro do ônibus, um senhor carregando um ramalhete de flores ou uma aliança perdida.
 
O que chama a atenção, também, é a inexistência de ofensas e palavrões -- algo quase impossível no ambiente das redes sociais atualmente. Uma postagem fixa logo no início da página explica os "10 Mandamentos", uma espécie de código de conduta que deve ser seguido por usuários e administradores. "Gostamos de nadar contra a maré. O objetivo sempre foi ajudar as pessoas e comentários ofensivos prejudicam muito a imagem da página", resume Vinícius.
 


OCULTAR COMENTÁRIOS
comments powered by Disqus