_ TJ de SP notifica Geraldo Alckmin sobre reajuste do transporte - 10/01/17 - BRASIL - Jornal Cruzeiro do Sul
BRASIL

TJ de SP notifica Geraldo Alckmin sobre reajuste do transporte

O Tribunal de Justiça de São Paulo notificou na tarde desta terça-feira (10) o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), sobre a liminar que suspende o reajuste das integrações entre ônibus e trens da CPTM e ônibus-metrô em 14,8%.

Na sexta-feira, uma decisão liminar suspendeu o plano do governo de aumentar a tarifa de interligação dos sistemas de transporte público. O pedido ao tribunal foi feito pela bancada do PT na Assembleia Legislativa por meio de uma ação popular. A decisão do juiz Paulo Furtado de Oliveira Filho afirmou que as pessoas que moram em locais mais distantes serão as mais prejudicadas.

No mesmo dia da decisão, um oficial de justiça declarou que às 17h20 foi até a sede do governo estadual, mas não conseguiu entregar ao governador Geraldo Alckmin a notificação da suspensão. Segundo o oficial, o governador não estava. Ainda assim, sua equipe foi informada sobre o teor da decisão. A Procuradoria do Estado orientou servidores estaduais a não receberem a notificação em nome do governador.

Em nota, o governo afirma que o governador não se recusou a receber o comunicado do Poder Judiciário e que só o governador poderia recebê-la. No domingo, o governo do Estado aumentou o valor das integrações dos sistemas de transporte público, mesmo sabendo da liminar, mas sem ainda ter a notificação oficial da suspensão.

Demagogia

Nesta terça-feira (10), o governador Geraldo Alckmin atacou o PT por entrar com ação que resultou na suspensão do reajuste. O tucano acusou o partido de "farisaísmo" e "demagogia".

"O PT quando governo deu reajuste para tudo, inclusive para integração. E ninguém entrou na Justiça. Nós não fizemos o reajuste do bilhete de R$ 3,80, porque é ele que beneficia o maior número de pessoas", diz. Alckmin afirma ainda que a medida judicial é descabida e que será revertida. (Folhapress)


OCULTAR COMENTÁRIOS
comments powered by Disqus