ARTIGOS

Sobre palmitos


José Milton Castan Jr.
 
Quebrando um pouco a tradição de propiciar reflexões sobre nosso cotidiano através das crônicas, este texto segue com o mesmo intento, porém, um tantinho diferente. Vem comigo e vou explicando:
 
Sobre palmitos (1):
 
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no último dia 27 de junho publicou a Resolução RDC Nº 85 que autoriza o acondicionamento do palmito em conserva em embalagens flexíveis, além dos tradicionais potes de vidro e latas.
 
Uma conquista e tanto!
 
Como nos ressentimos muito por nossas perdas e bem pouco comemoramos nossas vitórias, comemoro por aqui. Explico:
 
Anos atrás, meu último trabalho como engenheiro foi desenvolver uma embalagem e um modelo de processamento para acondicionamento do palmito em conserva em embalagem flexível. Foram uns três anos num trabalho solitário. Tentei levar a ideia para algumas empresas, mas óbvio, a rechaçavam por inúmeros motivos: impossibilidades técnicas de várias ordens, questões regulamentares, hábitos dos consumidores, etc. Eram particularmente tempos difíceis, pois com trinta anos de trabalho no mundo corporativo os sentimentos iam, naquela época, desde uma frustração irreparável por tantos desencantos, ao enlevo de, numa última tentativa, encontrar a satisfação de fazer algo diferente, de valor, dar sentido ao meu trabalho e enfim, poder viver dignamente em função dele. Realmente tempos para desistir. Mas como a disciplina sempre vence a dúvida "mantive o foco" (só para relembrar um desses jargões "obviantes" do mundo das empresas).
 
Levei a ideia para uma das maiores empresas nacionais produtora de palmito e um de seus diretores acreditou no projeto e seguimos em frente. Nem sei quantas vezes visitei sua fábrica na Bahia e menos ainda o quanto que suei (o calor era insuportável na linha de produção) testando, testando... Enfim conseguimos algo seguro e factível. Interessante, agora vejo, foi a parte mais fácil, pois o difícil seria mudar a legislação nacional em Brasília e enfrentar o lobby dos produtores das embalagens de vidro e lata.
 
Conheci muitos empresários, alguns que me foram exemplares, e outros nem tanto. Este do palmito é dos "puro-sangue", articulou genialmente e o resultado está aí. Ao que novamente lhe agradeço pela confiança e empreitada. Leio com ponta de orgulho; haverá redução de até 40% nos custos do palmito, por conta desta embalagem mais econômica.
 
Como disse eram tempos difíceis, e lá trás fiz a opção de encerrar a carreira de engenheiro e dar uma guinada maluca; era o fim da minha "era do ter".
 
Sobre palmitos (2):
 
Se você já teve oportunidade de ver o palmito in natura, lembrará que o palmito em si - o tolete, está envolto por camadas de cascas e mais cascas que formam uma haste bem rígida. O interessante é quanto mais tempo de vida o palmiteiro tiver, mais camadas de cascas envolverão o palmito.
 
Chegamos ao ponto:
 
As camadas de cascas que envolvem o palmito lembram máscaras, e quanto mais vivemos mais máscaras colocamos para nos proteger e distanciar daquilo que realmente somos, não aceitamos ser, mas desejamos parecer. Nossas máscaras sociais. Nossos personagens!
 
Personagem vem de "persona" - "soar através de", pois nos antigos teatros romanos os atores usavam máscaras para que suas vozes ressoassem e fossem ouvidas pela plateia.
 
Vivemos entre o querer ter e não ter, e não ser e querer ser.
 
"Conhece-te a ti mesmo e torna-te quem tu és". É o sábio ensinamento que poderá nos levar ao bem viver!
 
Ah! Sabe quando falei sobre minha frustração irreparável por tantos desencantos? Às duras penas descobri que não eram os outros o problema, mas sim eu. Doeu, mas arranquei algumas máscaras. Mudei, então e enfim, tudo mudou!
 
 
José Milton Castan Jr. é psicanalista e escritor - www.psicastan.com.br
 


OCULTAR COMENTÁRIOS
comments powered by Disqus