ECONOMIA

Mercado procura mão de obra


 
Giuliano Bonamim
giuliano.bonamim@cruzeiro.com.br

 
A retração de empregos formais registrada no primeiro trimestre em Sorocaba ligou o sinal de alerta dos interessados em retornar ao mercado de trabalho. A menor oferta de vagas em relação à demanda de pretendentes tem elevado o nível de exigência dos empregadores na hora da contratação. Atualmente, não basta somente ter capacidades técnicas e intelectuais. Os patrões estão à procura de funcionários com habilidades específicas para o desempenho de determinada função e, por esse motivo, as características comportamentais viraram um fator importante para a aprovação da contratação. Saber trabalhar em grupo, entender a filosofia da empresa e ser versátil são itens valorizados durante o processo de seleção.
 
Dados do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), registraram uma queda de 1.372 postos de trabalho formais em Sorocaba no primeiro trimestre de 2015. Foram 24.475 admissões diante de 25.847 desligamentos.
 
O balanço negativo já havia sido registrado em 2014. Nos 12 meses do ano passado houve uma perda de 145 postos de trabalho na cidade.
 
Diante dessa realidade pouco otimista, quem busca emprego no município precisa estar preparado para as exigências do mercado. Na opinião de Vanessa Mendes Bernardo Unterkircher, vice-presidente da Associação dos Profissionais de Recursos Humanos (APRH) de Sorocaba, algumas dicas são fundamentais para sucesso do candidato. A lista inclui estar tecnicamente preparado, que nada mais é estar atualizado por meio de estudos e cursos, e ser um profissional versátil. "Isso mostra o quanto a pessoa está apta e aberta a mudanças", diz.
 
De acordo com Vanessa, a avaliação comportamental está cada vez mais em alta durante o processo de seleção do candidato. "A pessoa passou a ser vista de uma maneira integral", relata. Esse pensamento objetiva o empregado a atingir o resultado de uma maneira mais eficaz e produtiva.
 
A mesma opinião é compartilhada por Célia Guilhen, diretora de uma agência de empregos em Sorocaba. Para ela, nessa relação entre mais candidatos e menos vagas, geralmente os melhores preparados tendem a conquistar a preferência do empregador.
 
Célia ressaltou o atual momento crítico em termos de emprego no País, mas deixou claro que não há fórmula mágica. "Hoje em dia, mesmo com um bom currículo, o profissional tem dificuldade por não ter vaga disponível."
 
Para a coordenadora de seleção Érika Sodré, que atua em uma agência de empregos em Sorocaba, o candidato precisa ter responsabilidade e comprometimento com o resultado da empresa. "Vai desde os cargos de chão de fábrica até os executivos", conta.
 
Com essa escassez de trabalho, os desempregados têm até se candidatado a vagas distantes do perfil. Segundo Érika, a pessoa não foca na carreira, mas sim na busca pela sobrevivência. "Busca o emprego, ainda que temporário, para se manter e arcar com os custos de vida até a crise passar."



OCULTAR COMENTÁRIOS
comments powered by Disqus