ARTIGOS

Feliz Natal!


 
 
José Milton Castan Jr.
 
Era ceia de Natal.
 
-- Feliz Natal Seu Malaquias!
 
-- E o que você quer dizer com isso, Feliz Natal? - Seu Malaquias disparou certeiro.
 
-- Oh "vovô", pega leve. Deixa pelo menos primeiro lhe apresentar meu namorado.
 
Mário Jorge - o namorado, meio sem jeito estendeu a mão, mas nem teve tempo.
 
-- Já estamos nos apresentando. - falou Seu Malaquias com um olhar penetrante e fazendo um suspense aguardando a resposta do rapaz.
 
-- Olha Seu Malaquias, quero dizer que o senhor realmente tenha um feliz Natal. - falou Mário Jorge sem muita convicção, o qual recebeu a seguinte estilingada:
 
-- É só isso, meu rapaz?
 
-- Não, sim eu acho...
 
-- Vovô, explica melhor! - emendou a neta tentando salvar o namorado, que já estava todo encolhido.
 
-- Como dizia o "Velho Guerreiro" Chacrinha: "Eu não vim aqui para explicar!" - e Seu Malaquias sem delongas, deu as costas para o rapaz.
 
Mário Jorge foi então apresentado ao restante da família, sempre com um olhar entre medroso e apavorado.
 
Meia noite, todos se abraçando, Seu Malaquias se aproxima:
 
-- E então Jorge Mário?
 
-- Mário Jorge, Seu Malaquias, Mário Jorge! - o rapaz revidou com certo prazer, pois o velho era meio pirado mesmo.
 
-- Bem, pelo menos o seu nome você sabe. - contratacou Seu Malaquias, agora com uma voz mais suave, e emendou:
 
-- Rapaz: faça alguma coisa por você e encontre a resposta certa para o significado de "Feliz Natal".
 
Fim de festa. Despede-se de todos. Voltaria mais tarde para o almoço de Natal.
 
"Encontre a resposta certa" não lhe saia da cabeça, e de alguma forma o velho havia cutucado certeiro e o colocado em situação desfavorável, pois apesar do namoro ser recente, a amizade com Érica - a neta de Seu Malaquias, vinha do tempo da faculdade. Mário Jorge admirava em Érica o seu jeito natural e sincero, e acreditava não ser quimérico seu desejo de tê-la como companheira e esposa. Sabia precisar dar respostas ao Seu Malaquias.
 
Ainda não eram dez horas da manhã e Mário Jorge desperta com as palavras de Seu Malaquias: "Encontre a resposta certa para o significado de Feliz Natal".
 
Pega o carro e segue para a casa de Érica. Vai pensando no significado do Natal: significante do nascimento de Cristo, o qual tinha o amor ao próximo, como sua máxima. Um amor incondicional, fraterno, solidário e tolerante.
 
Vê pessoas andando languidamente pelas calçadas. Outras conversando. Observa um abraço do que pareciam dois grandes amigos que há muito não se viam. Dá-se conta também que nenhum comércio ou indústria funciona. Pensa na coincidência, que em função da comemoração do nascimento de Cristo, um dia único no ano:
 
Uma síncope na engrenagem mercantil, e um sentimento fraternal admoestando a todos!
 
-- Touché! Que bela associação. - falou em voz alta.
 
Mário Jorge tinha encontrado a sua resposta. Saberia o que falar ao Seu Malaquias.
 
Chega à casa de Érica e cumprimenta Seu Malaquias:
 
-- Feliz Natal, Seu Malaquias!
 
-- Agora sim: Feliz Natal, Mário Jorge! - Seu Malaquias parecia ter lido seus pensamentos.
 
Meu querido leitor: escusas pela interrupção, faltam alguns poucos toques.
 
Como a moenda não para, e/ou, não pode parar, fica o desejo desde "escrevinhador" (e de Seu Malaquias - "aquele que traz mensagens") que a mesma moenda não triture em 2015 nossos sentimentos de amor e fraternidade, tão propriamente existente neste dia de Natal, e sim, que estes verdadeiros sentimentos emoldurem nossos pensamentos, pois:
 
"Pensamentos tornam-se ações, ações tornam-se hábitos, hábitos tornam-se caráter, e nosso caráter torna-se o nosso destino".
 
Feliz Natal. Feliz 2015!
 
José Milton Castan Jr. é psicanalista e escritor - www.psicastan.com.br
 


OCULTAR COMENTÁRIOS
comments powered by Disqus