SOROCABA E REGIÃO

Há 25 anos, boneca que teria sido possuída pelo demônio causava comoção em Sorocaba


Giuliano Bonamim
giuliano.bonamim @jcruzeiro.com.br

Uma boneca possuída pelo diabo, com unhas e seios crescidos, estaria acorrentada no museu sacro da Catedral Metropolitana de Nossa Senhora da Ponte. O brinquedo teria atacado e ferido uma criança, enquanto dormia, na periferia de Sorocaba. A notícia se alastrou de forma rápida e uma multidão foi à igreja em 9 de novembro de 1989 para encontrar a tal autora da agressão. O monsenhor Mauro Vallini, então pároco da matriz, precisou fechar as portas do local para minimizar o tumulto e procurou a imprensa e a polícia para avisar que tudo aquilo não passava de um boato. Esse fato ocorreu há 25 anos e ainda é lembrado como uma das mais famosas lendas urbanas do município.
+Confira a reportagem da época
A história era baseada em uma mãe sem dinheiro e cansada de ouvir a filha pedir de presente a boneca da Xuxa. Na ocasião, a mulher teria dito que conseguiria adquirir o brinquedo somente com a ajuda do diabo.

Inexplicavelmente, no dia seguinte, a mãe teria conseguido o dinheiro e comprado o sonho de consumo da filha. A criança dormiu com o brinquedo, acordou toda arranhada e as unhas de plástico da boneca teriam ficado manchadas de sangue.

Existiu uma outra versão ainda mais assustadora. Nesse caso, a boneca havia matado a criança com as unhas. A sequência de fatos terminou quando a mãe resolveu levar a autora do suposto crime à Catedral. O objetivo era exorcizar o brinquedo.

Naquela época, o caso foi noticiado com destaque pelos jornais Cruzeiro do Sul, Diário de Sorocaba e O Estado de S. Paulo. O assunto mexeu com os moradores da cidade, principalmente com quem possuía a boneca. A assistente administrativa Ariane de Góes, 28 anos, ganhou um exemplar logo após o surgimento do boato e trancava o brinquedo dentro do guarda-roupa, sempre no período da noite. "Tinha medo", diz. "Passou um tempo e eu joguei fora porque ninguém a quis de presente", lembra.

Já a publicitária Mary Ellen da Silva, 26 anos, ganhou a boneca da Xuxa em 1994 e não tem lembranças boas do brinquedo. "Eu não gostava dela e, quando ficava sozinha, nem mexia na boneca", lembra.

O psicólogo Alexandre de Freitas disse que a ciência explica o motivo de as pessoas acreditarem em uma boneca capaz de ganhar vida e praticar tais atos de crueldade. "Muita gente crê no espiritual, no sobrenatural, principalmente para explicar o que não se compreende", comenta. Ele próprio foi até a Catedral, em 1989, para tentar ver o brinquedo. "As portas já estavam fechadas", completa.

O atual pároco da Catedral, Tadeu Rocha Moraes, disse que desconhecia o caso em Sorocaba - em 1989, o padre desempenhava a função na igreja de Santa Rita. Segundo ele, o fato não passa de um boato e não há nenhuma boneca guardada nas dependências da matriz.

O boato não ficou restrito em terras sorocabanas. Em Minas Gerais, uma criança teria achado uma faca dentro da boneca da Xuxa. A garota, ao ouvir uma ordem do brinquedo, pegou a lâmina e matou a sua mãe. E vale uma ressalva: nenhum boletim de ocorrência sobre o caso foi feito em Sorocaba.


Influência do cinema

A lenda urbana criada em Sorocaba surgiu um ano depois do lançamento do filme Chucky. O longa-metragem conta a história de um matador em série à beira da morte, que utiliza conhecimentos de vodu e incorpora a sua alma em um boneco. Na sequência, um menino inocente ganha o mesmo boneco de presente de sua mãe e vê a vida virar uma aterrorizante perseguição, já que a alma do assassino quer o corpo do garoto para continuar a viver.

Atualmente, o assunto também tem feito sucesso nas telas do cinema com o filme Annabelle. Na história, uma mulher grávida recebe de presente do marido uma rara boneca, mas membros de um culto satânico invadem a residência do casal e os atacam para invocar uma entidade do mal.


OCULTAR COMENTÁRIOS
comments powered by Disqus