SOROCABA E REGIÃO

Retirada de vagões desobstrui estação



César Santana
cesar.santana@jcruzeiro.com.br
programa de estágio


Mais de um mês se passou desde o início do processo de remoção dos mais de 300 vagões abandonados na antiga Estação Ferroviária Santo Antônio, em Iperó, e após esse período, o cenário no pátio passou por uma mudança significativa. A maior parte dos vagões que dificultava a passagem de moradores de bairros nas adjacências já não estão mais no local e, com isso, o espaço ganhou uma aparência mais limpa. A retirada das unidades de propriedade da União e sob responsabilidade da América Latina Logística (ALL) por meio de contrato de concessão, teve início no dia 5 de setembro, depois que o governo local obteve, por meio da Justiça, autorização para desmontar as estruturas sucateadas há cerca de 20 anos na estação.

Segundo funcionários da concessionária que trabalhavam no local na tarde de ontem, quando havia movimentação de trens na linha com destino ao Paraná, no momento restavam apenas 14 vagões na estação da cidade, entretanto, a reportagem contabilizou no local cerca de 25, sendo que a grande maioria está distante da passagem de moradores. A ALL não informou ao Cruzeiro do Sul quantos vagões foram removidos do local por parte da empresa até o momento, ressaltando apenas que continua "seguindo o cronograma de retirada dos ativos arrendados em conformidade a decisão judicial". Ainda de acordo com a ALL, as unidades estão sendo levadas para pátios da concessionária, sendo que algumas serão reformadas e colocadas em uso. Já a Prefeitura, até o último dia 25 de setembro, havia retirado um total de 32 vagões do local.

Muitos dos vagões foram colocados num trecho da linha férrea próximo à entrada do bairro Bacaetava, de onde é possível avistar de um viaduto na rodovia que liga Sorocaba a Iperó. Segundo a ALL, a operação de remoção dos vagões deve seguir até o fim do mês de outubro. Entretanto, segundo um funcionário, pelo menos do pátio da estação a meta era promover a total retirada das estruturas até hoje.

Parte da sucata, que resultou da desmontagem dos vagões promovida pela Prefeitura de Iperó ainda permanece no local próximo à passagem de moradores dos bairros Novo Horizonte e Vila Santo Antônio. Para a realização do serviço, foram utilizadas máquinas que destruíam as unidades e, segundo um funcionário da ALL, isso prejudicou também alguns pontos da linha férrea no trecho. A Prefeitura de Iperó foi procurada pelo Cruzeiro do Sul para se manifestar sobre o assunto, porém, até o fechamento desta edição, não deu retorno à reportagem.

Contaminação do solo

No fim de agosto, a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), após realizar vistoria na área da antiga Estação Ferroviária de Iperó, constatou que o solo do local se encontrava contaminado e informou ter emitido um auto de advertência à ALL. O documento determinou que a empresa removesse os resíduos causadores de tal contaminação num prazo de cinco dias (a notificação foi emitida em 20 de agosto) com a devida aprovação da companhia e apresentasse o resultado ambiental (passivo) da área. Questionada na ocasião, a Cetesb não informou ao Cruzeiro do Sul qual o procedimento necessário para a retirada dos resíduos do local, tampouco quais medidas seriam adotadas em caso de descumprimento à determinação.

Por meio de nota, a ALL informou que "desconhece o laudo da Cetesb", alegando ainda não ter recebido qualquer intimação por parte da companhia ou do Ibama. Ainda segundo o comunicado, uma equipe responsável pela área do meio ambiente da concessionária esteve no local e não identificou nenhum ponto de contaminação. A Cetesb foi novamente questionada pelo Cruzeiro do Sul na tarde de ontem sobre o andamento do caso e as medidas a serem adotadas em caso de não cumprimento à determinação por parte da ALL, porém até o fechamento desta edição, não se manifestou. (Supervisão: Admir Machado)


OCULTAR COMENTÁRIOS
comments powered by Disqus