EDITORIAL
Publicidade (passe o mouse para ouvir)


Temporada de afogamentos




Todos os anos, com a chegada da primavera e o aumento da temperatura, começam a acontecer casos de afogamento em todo o País. Na Região Metropolitana de Sorocaba (RMS), onde é grande o número de rios, represas e lagoas, o Corpo de Bombeiros entra em alerta para atender esses casos e muitas vezes resgatar corpos, na maioria de jovens e crianças que entraram na água sem o devido cuidado e, não raros os casos, sem saber nadar.

A Organização Mundial da Saúde alerta que todos os anos mais de 370 mil pessoas morrem afogadas em todo o mundo. O número de afogamentos no Brasil também é altíssimo. O País aparece em terceiro lugar com o maior número de mortes por afogamento, ficando atrás apenas do Japão e da Rússia. Um levantamento concluído há cinco anos com uma grande amostragem, mostrou que no Brasil ocorreram 6.487 afogamentos em 2011, enquanto na Rússia foram 12 mil e no Japão, 9 mil. E o maior número de casos ocorre entre crianças menores de 5 anos. Constatou-se também nesse trabalho que mais da metade das vítimas de afogamento têm menos de 25 anos. As mortes de crianças de 2 a 4 anos totalizam 38% dos casos.

A Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa) informa que 17 pessoas morrem afogadas por dia no Brasil, uma morte a cada 84 minutos. Os bombeiros e especialistas em segurança informam que a maioria dessas mortes poderia ser evitada seguindo orientações simples e bom senso, atitudes que podem evitar tragédias tão comuns nesta época do ano, quando os casos começam a aumentar no Brasil por conta do calor que convida a um banho de rio, piscina ou de represa. Com o fim do inverno, os dias ficam mais quentes e mais longos. No verão, a combinação de calor forte e férias escolares se tornam sinônimos de praia e piscinas, o que exige atenção redobrada de pais e mães.

Com o objetivo de prevenir acidentes com crianças e jovens em represas, rios, lagoas e cachoeiras, tão comuns em nossa região, o 15º Grupamento de Bombeiros do Estado de São Paulo, baseado em Sorocaba, iniciou nas vésperas do feriado prolongado de Nossa Senhora Aparecida, na semana passada, uma campanha para conscientizar sobre os perigos de afogamento. A ação envolveu a distribuição de 18 mil exemplares de uma revista infantil criada pelo desenhista Maurício de Souza em praças de pedágio das rodovias que levam os turistas às praias do litoral sul, e regiões do interior do Estado onde são comuns represas, lagoas, rios e cachoeiras. No entorno de Sorocaba, por exemplo, existem inúmeros locais procurados por banhistas nos dias de calor, sobretudo nos finais de semana, onde, infelizmente, sempre ocorrem afogamentos. Em Sorocaba, as lagoas existentes no Parque Vitória Régia são frequentemente locais de afogamento. Alguns pontos turísticos de Votorantim, como a represa do Votocel e a Cachoeira da Chave, também registram acidentes com frequência.

O Corpo de Bombeiros orienta que crianças, jovens e mesmo adultos nunca devem nadar sozinhos, assim como não consumir lanches, refeições ou bebidas alcoólicas antes de entrar na água. Outras orientações práticas, mas bastante úteis são não se afastar das margens das lagoas ou represas e não saltar de locais elevados, pois nunca se sabe a verdadeira profundidade desses locais onde são comuns também rochas que podem ferir o nadador. Outra orientação valiosa é para que pessoas sem muita habilidade ou treinamento não tentem salvar vítimas de afogamento. Nesses casos é preferível lançar objetos flutuantes como boias e pranchas e até mesmo cordas para salvar a pessoa, no lugar de uma ação corpo a corpo que pode acabar em duplo afogamento. É importante também nunca deixar crianças brincando sozinhas perto da água, mesmo em piscinas domésticas, pois o afogamento é o segundo tipo de acidente mais fatal com crianças de até 14 anos, perdendo apenas para acidentes de trânsito.

Quando a natação é praticada em rios e lagos, é importante que as pessoas fiquem atentas às placas de orientação sobre os perigos daquele local e aceitar a orientação dos salva-vidas, quando houver. Seguindo a orientação do Corpo de Bombeiros é possível aproveitar os dias quentes e se divertir, sem o risco de incidentes.