UM DIA NA HISTÓRIA
Publicidade (passe o mouse para ouvir)


Um dia na história



O cantor Erasmo Carlos viera a Sorocaba no início de 1967 para um show no Clube União Recreativo. Mas a apresentação dele acabou em confusão e teve até atentado à tiros, conforme noticiava o Cruzeiro do Sul em 17 de janeiro daquele ano. A origem de tudo foi um desentendimento do Tremendão com um grupo de rapazes, quando deixava o local do show: ao ser provocado, ele revidara a um deles com um murro. Em seu retorno a São Paulo, contudo, o Karmann-Ghia que dirigia fora perseguido por uma perua Chevrolet verde na rodovia Raposo Tavares. De dentro dela, próximo ao bairro de Maylasky, em São Roque, foram disparados seis tiros: quatro atingiram o pára-lama traseiro esquerdo do seu carro, um pegou na lanterna e outro se perdeu. Erasmo atribui tudo isto a ciúmes dos jovens, porque ele é ""o bom, mora"". (Eric Mantuan)

Um dia na história



Com um discurso em nome da conciliação, o presidente eleito Tancredo Neves, da Aliança Democrática, garantia a realização da Assembleia Constituinte e prometia que a eleição por ele vencida seria a última do País a ser realizada indiretamente. Sua vantagem de 300 votos sobre Paulo Maluf, do PDS, no Colégio Eleitoral, era noticiada pelo Cruzeiro do Sul em 16 de janeiro de 1985. "Tancredo garantiu que a primeira tarefa de seu governo será a de promover a organização institucional do Estado e reafirmou sua disposição de promover mudanças". Divulgado o resultado da eleição, que promulgava o primeiro governo civil após 21 anos de ditadura militar brasileira, uma queima de fogos começava na praça Coronel Fernando Prestes, em Sorocaba. A Constituinte veio, instalada em 1º de fevereiro de 1987, mas Tancredo não a viu: morrera em 21 de abril de 1985, vítima de uma diverticulite. (Eric Mantuan)

Um dia na história



Após três anos operando parte do transporte coletivo de Sorocaba sob liminar, a Viação Manchester (Vima) -- que estava circulando com outro nome, Souza Transportes Urbanos (STU), e tinha novo proprietário, o empresário Nelson Pedroso de Souza -- corria o risco de ter o restante das suas linhas cassadas após o mandado de segurança da empresa ter sido derrubado. No dia 14 de janeiro de 1992, o Cruzeiro do Sul noticiava que a liminar favorecendo a Vima (STU) havia sido cassada no final do mês anterior pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. "A informação foi divulgada ontem pelo prefeito Antônio Carlos Pannunzio. (...) Explicou que, agora, se a Fioravante adquirir novos carros, a Prefeitura pode dar autorização para que eles circulem em linhas hoje operadas pela STU. O que favorece a Fioravante e coloca a STU em situação de risco". (Eric Mantuan)

Um dia na história



O Brasil resistia a entrar na Segunda Guerra Mundial no início de 1942 e o Cruzeiro do Sul transcrevia, em 13 de janeiro daquele ano, uma entrevista do embaixador José Carlos de Macedo Soares. O diplomata garantia que o País manteria-se neutro ao conflito "salvo a hipótese, pouco provável, de tentarem violar qualquer trecho do território nacional". Mas o alinhamento do governo de Getúlio Vargas aos norte-americanos já era visível em alguns pontos do discurso. "Entre o Brasil entrar na guerra, ou cruzar indiferente os braços ante a agressão sofrida pela grande República irmã, vai uma grande diferença. A nossa necessária solidariedade aos Estados Unidos da América já foi anunciada por quem de direito: o presidente da República do Brasil", afirmara. Tudo mudaria pouco depois: com o torpedeamento de embarcações no Atlântico por submarinos alemães e italianos -- e promessas americanas de apoio à economia do País --, o Brasil declararia guerra ao Eixo oito meses depois. (Eric Mantuan)

Um dia na história




A temporada de chuvas estava provocando transtornos aos moradores de Sorocaba nos primeiros dias de 1982. Em 12 de janeiro daquele ano, o Cruzeiro do Sul noticiava problemas especialmente nos bairros Mineirão e Brasilândia, com reflexos, inclusive, no transporte coletivo. "Os trajetos dos ônibus tiveram de ser modificados, pois as ruas ficaram intransitáveis, o mesmo acontecendo com os acessos da estrada de Porto Feliz". Em Brigadeiro Tobias, a avenida Bandeirantes estava coberta de lama. A região também havia sido afetada pelo grande volume de água dos dias anteriores. "A Polícia Rodoviária teve seu volume de ocorrências aumentado consideravelmente. (...) Córregos encheram-se e cobriram a rodovia Marechal Rondon nas proximidades de Conchas e Tietê. Na zona rural dos municípios de Piedade, Ibiúna, Sarapuí, Capela do Alto e Itapetininga, há dezenas de estradas sem condições de tráfego e pontes ameaçando ruir". (Eric Mantuan)